O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

“Vou só colocar a panela ao lume, que estou a ficar sem bateria”

20 mar, 2017 - 17:06

Cientistas de uma universidade americana descobriram formas inovadoras, baratas e ecológicas de gerar electricidade.
A+ / A-

Um novo material descoberto por engenheiros da universidade norte-americana do Utah permite usar jóias para gerar electricidade a partir do calor corporal ou carregar um telemóvel utilizando o calor gerado por uma panela ao lume.

Combinando cálcio, cobalto e térbio, a equipa liderada pelo professor de engenharia Ashutosh Tiwari descobriu uma maneira eficiente, barata e amiga do ambiente de gerar electricidade através de um processo termoeléctrico que usa ar quente e ar frio.

O efeito termoeléctrico acontece quando a diferença de temperaturas num material gera corrente eléctrica. Basta haver um grau de diferença para as partículas com carga eléctrica viajarem do lado quente para o lado frio.

“Não há químicos tóxicos no processo”, afirmou o primeiro autor do estudo publicado esta segunda-feira na revista “Scientific Reports”, Shrikant Saini.

Esta tecnologia pode ser aplicada a jóias que usam o calor do corpo para alimentar sensores como monitores de glucose ou cardíacos, a panelas capazes de carregar dispositivos móveis, ou a carros, utilizando o calor do motor.

Os autores da descoberta afirmam ainda que poderia ser usada para tornar as centrais eléctricas mais eficazes, reaproveitando o calor que produzem em conjunto com o ar frio do ambiente.

Tiwari destacou ainda que seria especialmente útil em países onde a electricidade escasseia e a única fonte de energia é o calor.

A Universidade já pediu a patente do material e vai começar a usá-la em carros e biossensores.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.