O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Mezze, o primeiro restaurante gerido por refugiados sírios

20 mar, 2017 - 11:53

Vai funcionar no Mercado de Arroios, em Lisboa. Haverá espaço para “workshops” de gastronomia, dança, escrita e debates.
A+ / A-

"Mezze" lembra "mesa", "mesa" lembra comida, mas "Mezze" pode traduzir-se por "petiscos". Foi o nome escolhido para um projecto de “inclusão e integração”, sobretudo de mulheres e jovens refugiados sírios acolhidos em Portugal, que vão agora gerir um restaurante.

As “mãos carregadas de histórias e de muita esperança numa nova vida” vão dar “corpo e alma” ao restaurante, em Lisboa, o primeiro em Portugal completamente gerido por um grupo de refugiados sírios, sob orientação da Associação Pão a Pão.

O projecto está a ganhar forma “desde há um ano”, contou à agência Lusa Francisca Gorjão Henriques, da associação, explicando que os 15 mil euros para o pontapé de saída estão quase a ser angariados através da campanha de “crowdfunding” a decorrer na internet.

A ideia, explicou, é montar um restaurante para “integrar refugiados do Médio Oriente, no qual sobretudo mulheres e jovens vão trabalhar e colocar em prática as competências que já trazem, pois muitos deles já sabem cozinhar”.

Ainda assim, vão receber formação: “No fundo, é valorizarmos o património que trazem, proporcionar essa transmissão da sua cultura, que não é assim tão conhecida em Lisboa e Portugal como seria de esperar”.

Foi devido ao pão que a ideia do Mezze começou a ganhar forma e foi através de uma conversa com uma estudante síria de arquitectura, que se encontra em Portugal ao abrigo da plataforma de apoio a estudantes sírios do ex-Presidente Jorge Sampaio, que tudo começou.

“Ficámos a saber que do que ela tinha mais saudades da Síria era do pão. Não há pão árabe à venda em Lisboa e há muito poucos restaurantes de comida do Médio Oriente na capital e achámos que havia qualquer coisa para fazer”, contou Francisca Henriques.

Chegar até à ideia de que a partilha à mesa era a forma “mais fácil de integrar e acolher” foi outro passo. No Mezze será feito pão árabe e vários petiscos e pratos como yalanji, fattoush, kibbeh, hummus ou baklava.

Mercado de Arroios recebe restaurante

Na página de “crowdfunding” em que é explicado o projecto refere-se que Fatima, Mouna, Reem, Rafat, Luei e Shiraz tiveram de sair da Síria e estão, como outros refugiados, “prontos para começar a trabalhar no Mezze e partilhar a riquíssima gastronomia do Médio Oriente”.

Segundo Francisca Henriques, haverá no restaurante espaço para “workshops” de gastronomia, dança, escrita e debates.

“A importância dos ‘workshops’ para nós é bastante grande, porque permite uma aproximação e um diálogo que é fundamental para as pessoas se conhecerem, para que os refugiados que estão a chegar possam dialogar com a comunidade que os acolhe”, explicou.

O Mezze vai funcionar no Mercado de Arroios. O espaço ainda necessita de obras e só deverá abrir portas ao público em final de Maio.

Numa primeira fase vão estar 15 pessoas a trabalhar no restaurante, algumas a tempo inteiro, outras em “part-time”.

A Associação Pão a Pão foi formada para dar apoio aos refugiados e a ideia é replicar depois o restaurantes pelo país, “sempre que houver um grupo de refugiados que possa levar para a frente o projecto e sempre que haja uma comunidade que o acolha”.

O Mezze é um projecto direccionado a mulheres e jovens, considerados “grupos de risco”, pois a maioria “não tem experiência profissional”, enquanto os “jovens ficaram com os estudos interrompidos devido à guerra”.

“São dois grupos que correm risco de exclusão. Por isso, este é um projecto de integração, mas aquilo que nós queremos, o principal objectivo é a inclusão que fazemos através da empregabilidade e através da partilha das duas culturas, da cultura de acolhimento e aquela que é trazida pelos refugiados”, sublinhou a associação.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.