O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Centroliva. Empresa não está encerrada, está “suspensa"

11 mar, 2017 - 17:10

A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro decidiu com base no risco para o ambiente e para a saúde pública determinar que fossem desligadas as caldeiras da unidade fabril.
A+ / A-

O administrador da Centroliva, Nuno Branco, explica que a empresa não foi encerrada, mas a sua laboração suspensa e adianta que após a conclusão do investimento que está a ser feito, a situação voltará à normalidade.

"Nós somos uma empresa cumpridora. Aquilo que estamos a instalar, aliás o investimento está a 15 dias de ser terminado e a situação voltará à sua normalidade. A Centroliva é uma empresa cumpridora e vai cumprir", afirmou à agência Lusa, o administrador Nuno Branco.

A Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC) decidiu na sexta-feira, com base no risco para o ambiente e para a saúde pública e como medida cautelar, determinar que fossem desligadas as caldeiras da unidade fabril, sendo que a cessação desta medida cautelar só poderá ocorrer após verificação de que não há perigo grave para o ambiente e qualidade do ar.

A empresa dedica-se ao processamento de bagaço e produção de energia e em Fevereiro de 2016, tinha sido intimada a "adoptar as medidas necessárias" ao exercício da sua actividade "sem incumprimentos ambientais".

Após o prazo de 30 dias, o Ministério do Ambiente decidiu que a Centroliva tinha dado cumprimento a todas as determinações constantes no mandado, pelo que manteve o funcionamento da unidade fabril.

Agora, um ano depois, a laboração da empresa foi interrompida cautelarmente pela CCDRC com base numa acção de fiscalização realizada no dia 7 de Março.

Nuno Branco garantiu à Lusa que a empresa não vai fechar: "Vou defender ao limite os 40 postos de trabalho que tenho e os fornecedores, muitos dos quais vivem exclusivamente da empresa. É uma questão de honra".

O administrador da Centroliva explicou ainda que aquilo que está neste momento em causa é a instalação de filtros de mangas, trabalho esse que já está a ser realizado e que daqui a 15 dias estará concluído.

Este é um investimento de 290 mil euros que segundo o responsável da empresa deixará a unidade fabril equipada com o que há de mais evoluído no país.

"A minha colaboração e disponibilidade é total para fazer tudo o que for preciso para resolver o problema e manter a empresa em funcionamento", frisou.

Nuno Branco realçou também que entre Outubro de 2015 e Dezembro de 2016, o investimento feito na Centroliva, só a nível ambiental, ronda os 1,3 milhões de euros.

A empresa processa anualmente mais de 100 mil toneladas de bagaço, tem mais de 200 fornecedores cuja maioria são da zona Centro e, segundo o seu administrador, "tem um impacto económico na região muito significativo".


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.