|
A+ / A-

Frustrada, vítima de abusos demite-se da Comissão do Vaticano contra pedofilia

01 mar, 2017 - 16:49

Marie Collins era a única vítima de abusos sexuais ainda presente na comissão do Vaticano para a protecção de menores.

A+ / A-

A irlandesa Marie Collins, membro da Comissão Pontifícia do Vaticano para a Protecção de Menores desde a sua fundação em 2014 e a única que foi vítima de abusos sexuais ainda nela presente, demitiu-se esta quarta-feira por causa da "falta de cooperação vergonhosa” por parte da Cúria romana, disse em comunicado.

Marie Collins comunicou a sua intenção de se demitir ao cardeal Sean O'Malley, presidente da comissão, no dia 13 de Fevereiro. A renúncia foi aceite pelo Papa Francisco e tornada efectiva esta quarta-feira.

Em conversações com o cardeal O'Malley e também na carta de demissão entregue ao Papa, Collins referiu-se expressamente à sua "frustração com a falta de cooperação por parte de outras entidades da Cúria romana".

Não obstante a sua demissão, Collins aceitou o convite do cardeal O'Malley para continuar a colaborar com a comissão. O’Malley emitiu ele próprio um comunicado, no qual garante que o assunto será tratado no plenário da comissão a ter lugar no próximo mês.

A Comissão Pontifícia para a Protecção de Menores foi constituída por mandado do Papa Francisco em Março de 2014 com o objectivo de proteger os menores e prevenir que se repitam na Igreja Católica casos de abusos por parte de sacerdotes.

A renúncia de Marie Collins, ela própria vítima de abusos na infância por parte de sacerdotes, acontece um ano depois do inglês Peter Saunders - também ele vítima de abusos e fundador da Associação Nacional de Pessoas que Sofreram Abusos na Infância (NAPAC, na sigla em inglês) - ter decidido abandonar a comissão.

A Comissão Pontifícia não esclareceu na altura as razões da demissão de Saunders, mas este tinha manifestado desconforto em relação à forma como tinham sido tratados alguns casos de pedofilia, nomeadamente as denúncias de pedofilia no seio da Igreja Católica da Austrália.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.