O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Caixa. Costa diz que assunto acabou na segunda-feira

16 fev, 2017 - 22:34

Governante lembrou nota da presidência da república.
A+ / A-

O primeiro-ministro, António Costa, escusou-se a comentar novos dados em torno da Caixa Geral de Depósitos (CGD) e das comunicações entre o ministro das Finanças e o antigo presidente do banco, dizendo que o assunto "acabou" na segunda-feira.

"O quê, ainda andam com esse assunto? Ainda não ouviram o senhor Presidente da República? Isso já acabou tudo na segunda-feira", disse Costa, questionado sobre a matéria à margem de uma iniciativa em Oeiras.

Estas foram as únicas palavras do primeiro-ministro, que lembrava a nota de segunda-feira do chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, que declarou manter a confiança no ministro das Finanças, Mário Centeno, "atendendo ao estrito interesse nacional, em termos de estabilidade financeira".

Na terça-feira, o Presidente falou também do tema para o declarar como "encerrado", mas o alegado acordo entre o ministro das Finanças e o anterior presidente da Caixa sobre uma hipotética dispensa de apresentação de declarações de rendimentos e património no Tribunal Constitucional continua a preencher a agenda noticiosa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • vaca voadora
    18 fev, 2017 Santarém 22:47
    Juiz em causa própria!
  • ridículo
    18 fev, 2017 Santarém 22:35
    O senhor Costa parece ter uns tiques de ditador, como o assunto não lhe interessa que seja esclarecido tenta por todos os meios impedir que se concretize indo mesmo ele e os seus agora parceiros ao ponto de responsabilizarem a oposição pelos desaires que eles próprios têm cometido no caso da CGD.
  • Toni
    17 fev, 2017 Torres 10:56
    Qual segunda feira? O assunto ainda está por começar!
  • JULIO
    17 fev, 2017 vila veade 10:50
    Chamam a isto democracia; eu chamolhe uma ditadura muderna em que tens o direito de falar para o boneco
  • COSTA PANTOMINEIRO
    17 fev, 2017 Lx 09:41
    Este vendedor da banha da cobra disse e está dito..É a democracia no universo xuxa da peta, treta e da teta....Uns artistas habilidosos, mentirosos e pantomineiras. Este país é um asco com esta gente menor que nos desgoverna.Só mentiras, populismo barato e propaganda barata para tuga enganar.
  • Arminda Brito
    17 fev, 2017 Coimbra 08:53
    Este ratão sabe de tudo e foi ele que organizou tudo.Por isso não. percam mais tempo.Agora à boa maneira estalinista mandou calar toda a esquerda, afinou-a para o povo não saber para onde foram milhões de euros da caixa.E aqui quem paga é o povo.vejam como PCP. e BLOCO apooam.DITADORES de esquerda adoram estas politicas.Tenham cuidado! O caldo de calar quem falar contra está a ser preparado.
  • uma mentirola
    17 fev, 2017 lis 08:46
    Para bem do País é bem vinda, comparada com as aldrabices e trapaças a que fomos sujeitos pelos que durante 4 anos nos aldrabaram que a Caixa não podia ser capitalizada porque Bruxelas não permitia. Isto sim é que foi uma pantominice de lesa Pátria. Os PSDs o que prendiam era vender a patacos a Caixa como fizeram com outras instituições estratégicas, acolitados pelos CDSs. Hoje, pelos excelentes resultados financeiros e economicos só temos que elogiar o actual ministro das finanças e o governo pelo excelente trabalho que está a fazer, cpisa que os opositores não suportam e por isso fazem tudo para tentar destruir, tal é a sede de voltarem ao poder. Bem haja governo. Em frente para o desenvolvimento do país.