O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

D. Manuel Clemente destaca “contributo notável" de Soares para a democracia

07 jan, 2017 - 17:49

Este este é um tempo “para agradecer e enaltecer” o papel de Mário Soares para o “estabelecimento da democracia em Portugal", diz o cardeal-patriarca de Lisboa.
A+ / A-
Mário Soares. Uma vida em campanha pela democracia

O cardeal-patriarca de Lisboa considera que Portugal deve “muito” a Mário Soares, antigo presidente da República Portuguesa, que faleceu este sábado, sobretudo nos “anos de implementação da democracia”.

D. Manuel Clemente sublinha, em declarações à agência Ecclesia, o “contributo notável e irrecusável” do responsável político, considerando que este é um tempo “para agradecer e enaltecer” o seu papel para o “estabelecimento da democracia em Portugal”.

Para D. Manuel Clemente, as instituições democráticas em Portugal, como “felizmente” existem hoje, devem “muito” a Mário Soares, “sobretudo nos anos de implementação da democracia nos anos 70” do século XX.

“Já antes no seu percurso pessoal, mas para nós todos a partir dos anos 70 e em diante”, acrescentou ainda o cardeal-patriarca de Lisboa, sobre o fundador do Partido Socialista.

Em 2007, Mário Soares foi indicado para presidir à Comissão da Liberdade Religiosa, criada pela Lei 16/2001, cargo no qual seria reconduzido em 2011.

Como presidente da República, Soares recebeu o Papa João Paulo II na viagem que o santo polaco fez a Portugal, em 1991; antes, a 27 de Abril de 1990, realizou uma visita oficial ao Vaticano.

Graça Franco: Defendeu a Rádio Renascença e os católicos. Obrigado, Mário Soares
Francisco Sarsfield Cabral: "Devemos a Soares a liberdade, a democracia e a estabilidade"
Mário Soares. A entrada na CEE que nos aproximou de Espanha
O Papa, o país e o mundo. Mário Soares à Renascença

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.