|
A+ / A-

Francisco telefona a Papa copta após atentado contra cristãos egípcios

12 dez, 2016 - 19:37

O Papa prometeu rezar pelas vítimas dos atentados esta segunda-feira na celebração de Nossa Senhora de Guadalupe, em Roma.

A+ / A-

O Papa Francisco telefonou esta segunda-feira ao líder da Igreja copta ortodoxa, Tawadros II, para manifestar-lhe o seu pesar pelo atentado deste domingo junto da Catedral de São Marcos, no Cairo, Egito.

Segundo o director da Sala de Imprensa da Santa Sé, Greg Burke, Francisco deixou uma palavra de solidariedade a toda a comunidade copta atingida pelo ataque, que provocou mais de 20 mortes e dezenas de feridos, incluindo muitas mulheres e crianças.

“Estamos unidos no sangue dos nossos mártires”, disse o Papa, que prometeu rezar pela comunidade copta durante a Missa a que presidiu esta tarde, na Basílica de São Pedro, na festa de Nossa Senhora de Guadalupe.

Segundo as autoridades egípcias, o atentado foi levado a cabo por um bombista suicida, já identificado, que se infiltrou na igreja de São Pedro, junto à Catedral de São Marcos, sede da Igreja Ortodoxa Copta e não com uma bomba colocada à entrada da Igreja, como tinha sido antes noticiado.

Já este domingo, o Papa tinha recordado os que morreram no ataque. “Quero exprimir uma proximidade particular ao meu caro irmão papa Tawadros II e à sua comunidade, rezando pelos mortos e os feridos”, disse Francisco, após a recitação da oração do ângelus na Praça de São Pedro.

Na sequência do atentado, o presidente do Egito, Abelfatah al Sisi, declarou três dias de luto, a partir de segunda-feira.

Os coptas são os cristãos nativos do Egipto e embora não haja dados concretos, estima-se que sejam cerca de 10% da população, constituindo a maior população cristã no mundo muçulmano. O líder daquela Igreja, que é também conhecido pelo título Papa, sucede ao evangelista São Marcos. Embora exista uma minoria de coptas que estão em comunhão com Roma, a esmagadora maioria são ortodoxos. A Igreja Copta Ortodoxa rejeitou as conclusões do Concílio de Calcedónia, no século V, tal como a Igreja Arménia e a Igreja Etíope, por exemplo, com as quais está em comunhão plena.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.