O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
Grande reportagem

Transportes de Lisboa. Empurra, empurra. Cabe mais um

Grande reportagem

Transportes de Lisboa. Empurra, empurra. Cabe mais um

A+ / A-

06 dez, 2016 - 14:00 • João Carlos Malta

Quase 20 horas em três dias a viajar nas linhas do metro, nos carris do comboio, nas rodas do autocarro ou pelas águas do rio revelam um sistema de transportes com utentes de nervos em franja. No coração da rede – a Metro e a Carris – há atrasos, menos frequência, carruagens cheias, idosos espremidos. E tensão.
A+ / A-

O relógio marca quase 18h00. As escadas de acesso à plataforma do metro no Rossio ecoam e amplificam os passos de corrida rápida e ritmada de quem não quer perder a próxima composição. Vanessa acelera, as portas estão prestes a fechar, mas chega a tempo. Lá dentro uma massa humana compacta aperta-se. Ela tenta entrar, mas é empurrada para fora por outra rapariga. Fica atónita, até que volta a equilibrar-se e olha para o mostrador electrónico: faltam cerca de três minutos para o metro seguinte.

Isto acontece com frequência? “Sim, especialmente em horas de ponta. E depois há esta má conduta. A meu ver, não era preciso nada disto, pois daqui a pouco tempo já vai haver outro”, explica a assistente social de 23 anos.

Enquanto não chega o metro, troca mais dois dedos de conversa: “Já experienciei várias coisas deste género, mas comparando com outras… Numa altura empurraram-me e caí no chão. É verdade que só aconteceu uma vez, mas, dado a amostra, nem é grave.”

É mesmo isso. É cada vez mais normal. As pessoas estão a habituar-se. Muitas ainda protestam nos cais, mas há quem, como Vanessa Ribeiro, considere normal e sem grande relevância a ideia de que entrar num transporte pode ser um desporto de contacto.

Recuando umas horas e mudando de cenário, o guião é o mesmo. Pouco falta para as 09h00 e a estação de metro do Cais do Sodré, um dos maiores centros intermodais da capital, parece uma esponja que suga pessoas a cada quatro minutos para depois as expelir para dentro das carruagens.

Os primeiros sentam-se, e os que vêm a seguir amontoam-se nos corredores e no acesso às entradas. Até ao limite. E o limite é a porta não fechar. Para quem está de fora e quer entrar parece sempre caber mais um. E empurra, empurra.

Num movimento que se repete durante toda a hora de ponta matinal, uma mulher de quase 60 anos fica literalmente espremida entre a porta da composição e os restantes passageiros.

Muita gente deixa passar um e dois metros porque simplesmente não consegue entrar. Diogo Pires, arquitecto de 29 anos, não é excepção. Demora uma hora de Oeiras para o centro de Lisboa e, ao fim da tarde, o mesmo tempo para regressar a casa. Começa a pensar em alternativas para não ter de passar por esta situação todos os dias.

“É um serviço intermitente. Se tivesse uma mota, compensava-me muito. Escapava ao trânsito e o custo era ela por ela”, equaciona.

Desinvestimento

As queixas em relação ao metro depois de algumas horas a falar com quem os utiliza diariamente multiplicam-se quase na mesma proporção das perguntas sobre a qualidade do serviço prestado.

“É muita, muita gente... Agora até o barco do Montijo chega ao Cais do Sodré. São os barcos e os comboios, chega tudo ao mesmo tempo. Claro que é impossível entrar”, esclarece Beatriz Silva de 18 anos, estudante de Turismo.

Umas horas depois, durante a tarde, no terminal geral do Campo Grande, outro universitário, a mesma opinião. “Nos últimos meses tem-se assistido a uma deterioração em termos de frequência das carruagens e de lotação. Este serviço não se adequa às horas de ponta. As filas são enormes e as pessoas estão empacotadas”, sublinha Jorge Luís, de 24 anos.

No final de Outubro, em declarações exclusivas à Renascença, o presidente dos Transportes de Lisboa, Tiago Frias, reconheceu que se tem verificado, de facto, uma quebra na qualidade. E apontou as razões.

“Nos últimos anos, houve um forte desinvestimento nas empresas, nas suas infra-estruturas e nos recursos humanos: no universo Carris-Metro saíram mil pessoas”, começou por afirmar este responsável.

Porém, garante que o processo se está a inverter. “Neste momento estamos a repor o nível de disponibilidade e de material circulante e contamos que a partir do fim do ano se note uma recuperação. Além disso, estamos num processo de contratação, para que depois possamos ter o material circulante e os recursos humanos para oferecer um serviço de maior qualidade”, lembra.

A paralisação das greves

Se durante muito tempo, especialmente nos anos da troika e do governo PSD/CDS, os sindicatos foram alvo de inúmeras críticas na gestão política que faziam das lutas laborais, o mesmo não acontece desde que o PS com apoio da esquerda parlamentar chegou a S. Bento. Sem necessidade de decretos ou avisos, assiste-se à paralisação das greves.

A federação dos sindicatos dos transportes, Fectrans, afecta à CGTP, elogia as intenções do Governo, entre as quais a mais sonante é a contratação de 30 maquinistas. No entanto, começa a considerar preocupante a falta de acção concreta.

“O Governo diz que vai incorporar 30, mas a verdade é que num ano não conseguiu sequer abrir concurso para um”, frisa o coordenador da Fectrans, José Manuel Fonseca. O sindicalista refere ainda que, com as mudanças na Assembleia da República, os trabalhadores pelo menos têm direito a diálogo e vêem algumas das reivindicações aceites, contrariamente ao que acontecia antes de Outubro de 2015.

“O anterior Governo e as administrações eram do género quero, posso e mando”, destaca.

Uma Torre de Babel andante

De regresso ao Cais do Sodré, ao subir as escadas do metro e assomando à rua, encontramos uma das estações de autocarros e de eléctricos mais frequentadas da capital, com um sem número de passageiros à espera de transporte. O eixo que faz a ligação a Belém é dos mais procurados por turistas. E estes são cada vez mais em Lisboa.

Na paragem, as filas crescem quase na exacta proporção das queixas. Em dias de chuva são poucos os que têm onde se proteger.

“Não temos culpa de vivermos numa cidade em que de repente houve um acréscimo de turismo. Que se arranjem mais transportes. É bom que haja turistas, mas as pessoas também têm de viver o dia-a-dia confortavelmente”, argumenta a professora Marina Caeiro, que utiliza autocarro e metro há mais de 30 anos.

Ali ao lado, Raúl Rosa não tem dúvidas de que o serviço da Carris tem piorado. “Está aqui tanta e tanta gente. Ainda por cima agora com os turistas… Muitas vezes nem dá para apanhar o autocarro quando ele chega. Tenho de ir de comboio. É a segunda opção”, relata.

O empregado de mesa diz que é cada vez mais stressante andar de transportes. Ele é o “cheiro”, ele é levar com “as pessoas a discutirem por tudo e por nada”, ele é “a espera pelos autocarros cada vez maior”.

A viagem segue a bordo do eléctrico 15, que, a par do autocarro 28, é dos mais procurados junto ao Cais do Sodré. A direcção é Algés, em Oeiras, e os ouvidos sintonizam-se numa Torre de Babel em andamento. O inglês reina, mas o francês, o italiano e o alemão também se fazem ouvir. A maioria dos passageiros sai junto aos pastéis de Belém à procura de doces e de história.

É lá que Michael, um alemão de 38 anos, conhece uma nova cara de Lisboa. Não se junta ao coro de lamentos dos portugueses em relação à qualidade dos transportes. Apenas não os acha práticos.

“São bastante bons. O problema reside apenas na compra de bilhetes. Algumas vezes, não se sabe se são válidos para o metro ou para os eléctricos. A informação nem sempre é correcta. Num lado dizem que dá para tudo, noutro já dizem que não. É um pouco confuso”, sustenta.

De frente para o Mosteiro dos Jerónimos, um casal de ingleses na casa dos 70 anos também dá nota muito positiva aos transportes. No entanto, identificam o que salta à vista de todos os que metem um pé nas viaturas que seguem para aquela zona.

“São excelentes e fiáveis, mas estão tão cheios que nem permitem que possamos observar a paisagem e os edifícios. Isso é frustrante. Vínhamos na frente e nem conseguimos ver o rio. Em Inglaterra não deixariam que tanta gente fosse em pé”, afiançam.

Salta-se dali para o Cemitério dos Prazeres, em Campo de Ourique, porque o fenómeno de turistificação nos transportes tem o máximo esplendor no emblemático eléctrico 28, onde cabem 20 passageiros em pé e 38 sentados.

O conceito de sardinha em lata aplicado a humanos ganha ali um sinónimo visual que o explica na perfeição.

“Isto é uma miséria danada, é sempre sempre tudo para o turismo. Os motoristas às vezes nem param nas paragens. Passam dois e três, e nada... A gente tem de andar aqui assim”, critica Ricardo Grilo, um reformado de 76 anos que usa aquele eléctrico para ir da Calçada da Estrela até ao mercado de Campo de Ourique, a poucas centenas de metros.

O motorista reitera o que Ricardo declarou. Mais de 80% dos passageiros são estrangeiros e muitos dos idosos que frequentam este transporte não o fazem em condições mínimas. Confirma ainda que nos últimos tempos a procura aumentou e que a oferta não acompanhou essa necessidade. Por isso, as queixas avolumam-se cada vez mais.

Abre o guarda-chuva que vamos de autocarro

Passemos agora para a estação do Oriente na entrada Norte de Lisboa. São três níveis, um para cada meio de transporte: no subterrâneo circula o metro, na plataforma elevada os comboios e a meio, ao nível da estrada, os autocarros.

Na gare rodoviária, onde operam muitas empresas de camionagem, chegam viaturas de diversas proveniências, como Loures ou Alcochete. Não se ouvem muitas críticas à frequência ou pontualidade, mas a qualidade do serviço não merece loas, registando-se mesmo algumas situações consideradas terceiro-mundistas.

“Se está calor, não se pode estar lá dentro. Se está a chover, também não, porque ela cai ali toda”, conta Hermínia Simões. Chuva? “Sim, há fugas e temos de ir de chapéu aberto dentro do autocarro da Rodoviária”, responde a empregada doméstica. Mesmo assim, considera que a qualidade do serviço é melhor do que a da Carris.

Todos os dias perde três horas nos transportes. “São muitos carros a circular, sofremos imenso com o trânsito. E agora com as obras na cidade, ainda pior. É mais complicado chegar ao centro de Lisboa do que ir daqui até a Leiria”, exemplifica.

As críticas negativas aos autocarros e ao serviço da Carris, que no início do próximo ano passará para a gestão da autarquia de Lisboa, somam-se a cada conversa. Um motorista da empresa, com mais de 20 anos de trabalho, mas que não quis ser identificado, confirma a diminuição de qualidade.

Porém, lamenta que os passageiros dirijam a fúria para os destinatários errados, porque estes condutores não são responsáveis pela política da transportadora, nem respondem pelas avarias nem pela falta de pessoal.

Some-se ainda a isto tudo as situações de tensão que estão a crescer. Em Novembro deste ano foi noticiado que 140 trabalhadores da Carris se encontram de baixa. Estima-se que metade das situações sejam de cariz psicológico.

A violência de toda a ordem faz com que um número considerável de funcionários não aguente a pressão. “É uma profissão de risco. Nos bairros, há apedrejamentos e agressões verbais. Isso está a acontecer todos os dias”, refere o motorista, adiantando que também há cada vez mais pessoas que não pagam para andar nos transportes, isto apesar de a Carris querer criar pioneiros métodos de controlo através de novos equipamentos de vanguarda.

O condutor da Carris não acredita muito nesse futuro tecnológico antifuga ao pagamento. “Antes, quando era obrigatório mostrar o passe, tinham mais vergonha. Agora, que é só passar numa máquina, até encostam a carteira fechada, mas sem nada lá dentro”, sustenta.

Sobem-se as escadas rolantes até às plataformas onde viagens da CP seguem sobre carris. A qualidade do serviço regional não é posta em causa. Muitos gabam a pontualidade e a rapidez. Apenas uma ressalva: nas horas de ponta comboios de 30 em 30 minutos “é manifestamente pouco”, criticam os utentes.

Noutro ponto da cidade, na estação do Rossio, a avaliação à CP é idêntica, só que novamente com um senão. Repetem-se as queixas de falta de composições ao fim-de-semana para Sintra. E há muita gente que ali vive e trabalha em Lisboa ao sábado e ao domingo.

“Não é admissível. Tenho de sair muito cedo de casa. Só temos comboios de hora a hora. Até ficamos a pensar: ‘Isto é o quê?’”, questiona Maria Isabel, de 62 anos, empregada de hotelaria.

Nos barcos, a avaliação geral é semelhante: a maioria elogia a eficácia e periodicidade das embarcações que fazem a ligação à margem sul de Lisboa, tanto no Cais do Sodré como no Terreiro do Paço. Apenas uma lamúria.

“Cumpre sempre, mas devia haver mais. Se o perco à meia-noite, só tenho outro à uma da manhã”, aponta Miguel Silvestre, estudante de Medicina que ao fim do dia esperava o transporte para regressar ao Barreiro.

A mesma distância, o dobro do tempo

Puxemos umas horas atrás e voltemos ao início desta viagem pelos transportes de Lisboa, que começou às 6h30 na linha verde do metro em direcção à Alameda. Na subida para os autocarros, os sentidos ficam presos no doce aroma dos croissants ainda quentes. No entanto, chegados às paragens, as conversas são bem mais amargas.

Vanda Gonçalves, oficial de Justiça, segue diariamente a bordo da Carris entre Belém e o Parque das Nações. “Se dantes demorava 45 minutos, agora passou a ser uma hora e meia. A Carris e a Metro não se adaptaram ao aumento dos turistas e às obras em Lisboa. Mantêm o número de composições e isso não está a ajudar”, defende.

A falta de adesão à realidade entre o tempo de espera que os mostradores electrónicos anunciam e o número de minutos que o autocarro demora ou a simples supressão de horários já levaram esta mulher de 52 anos a apesentar queixas à Carris. Respostas até teve, soluções é que não.

“Mando sempre um e-mail e eles até respondem a dizer que o caso está a ser avaliado e estudado. Só que depois não há mais contacto e o que vejo é que está tudo mais ou menos na mesma”, relata.

Por se ter apercebido de um fenómeno em crescimento, a associação dos consumidores Deco, promoveu, em Março deste ano, a criação de um portal para que os passageiros de transportes públicos formalizem as queixas.

Até ao momento já há 2.700 reclamações, maioritariamente provenientes de Lisboa. De acordo com Carla Varela, jurista da Deco, as críticas mais frequentes prendem-se sobretudo com “diminuição e supressão de linhas, atrasos, alterações de horários e idade do material circulante”.

Para esclarecer melhor os utentes, a Deco lançou a Carta dos Passageiros, segundo a qual estes têm direito legal “a um transporte com qualidade, a não discriminação no acesso do serviço, o direito à informação, o reembolso e adequação tarifária, bem como a apresentação de queixas e resolução célere dos conflitos”.

Metro não é para meninos

De novo debaixo de terra, para mais uma incursão pelo metro numa hora em que os lisboetas saem dos empregos. São 17h00, quando Daniela Velho desce as escadas rumo à estação do Rato. Deixou o carro por causa de uma avaria. Já não o fazia há algum tempo, mas nunca imaginou encontrar um serviço que tivesse perturbações nas linhas todos os dias.

E sobretudo não estava à espera de uma realidade tão difícil para quem tem de andar com uma criança ao lado.

“Na linha verde, por o metro só andar com três carruagens [devido à dimensão da estação de Arroios, que entrará em obras em 2017], os metros estavam sempre cheios e eu tinha de deixar passar dois e três para que pudesse entrar num em que as condições de segurança fossem mínimas para o meu filho de seis anos”, lamenta.

Ainda assim, e apesar de criticar o serviço, garante que depois de recuperar o carro tentará equilibrar as viagens entre transportes públicos e privado porque “o trânsito está caótico”.

Nuns bancos de espera ao lado está João Botelho. Desde que chegou a Lisboa para estudar, há mais de 20 anos, que utiliza o metro com regularidade. Nunca o viu tão mal. O gestor da Santa Casa da Misericórdia arrasa as políticas seguidas para este meio.

“Isto é um investimento público gerido por uma administração irresponsável. Todos os dias tem falhas. Ou faltam carruagens ou diminuem a frequência nas horas de ponta. Todas as estações têm problemas nas escadas rolantes ou com infiltrações. Ou fazem como a Carris, em que se passa [a empresa] para uma administração pública a quem nos podemos queixar e é responsável, ou então vai continuar sem que se faça nada para mudar”, conclui.

No final de Outubro, o administrador dos Transportes de Lisboa responsável pela área comercial e operacional, Luís Barroso, em entrevista à Renascença revelou que 20% das composições da Metro de Lisboa não estão a circular. A manutenção deverá estar totalmente concluída daqui a dois anos, prometeu.

“Temos 111 comboios, há 20 imobilizados. Estamos a prever que, a partir de Dezembro, comece a inversão do ciclo. Este número não vai piorar, vai começar a melhorar gradualmente. O problema não vai desaparecer de um momento para o outro, porque é consequência de cinco anos [de desinvestimento], sublinhou Barroso.

E à noite, pá?

De repente, quando caminhamos para o fim da jornada nos transportes de Lisboa, a noite torna-se chuvosa. A viagem é de autocarro até ao Colégio Militar junto ao Centro Comercial Colombo. Na parte da frente da viatura, na zona dos passageiros prioritários, as pingas de água caem a bom ritmo em cima dos bancos. Uma senhora alerta para o facto de esta não ser a primeira vez que vê tal coisa a acontecer.

Por outro lado, na gare dos autocarros de onde saem muitos veículos para Odivelas ou para a Amadora encontra-se Hélder Alves. Trabalha por turnos num “call center”. Apanha diariamente o autocarro para Odivelas e aponta o dedo à falta de transportes, especialmente à noite.

“Deviam criar uma rede nocturna. O metro acaba à uma, os autocarros às quatro da manhã, e quem não tem carro não pode trabalhar à noite. Investe-se tanto na não utilização dos carros que se podia dar mais atenção a isto”, enfatiza.

O homem, na casa dos 30 anos, sofre ainda com os tempos de espera que ascendem, em muitos casos, a 40 minutos, alertando também para a degradação das condições que fazem dobrar o tempo de quem chega à capital vindo dos arredores.

“Há cinco anos chegávamos em 30 a 40 minutos a Lisboa; agora demoramos uma hora e um quarto. O metro e a Rodoviária fazem com que o tempo aumente cada vez mais”, regista.

Já é quase meia-noite e o caminho é agora o da estação intermodal de Sete Rios. Dali partem muitos comboios da Fertagus para a margem sul. O frio e a chuva intensa fazem, nestas noites de Inverno, companhia ao vigilante José Silva. É ali que espera pelo transporte para o Seixal.

Todos os dias são uma aventura. Sessenta segundos podem ser determinantes.

“Se tenho azar de falhar os da 23h19, só à meia-noite. Às vezes é por um minuto que chego, ou não, cedo a casa”, comenta.

Queixa-se ainda de que quem anda a noite nos transportes, apesar de pagar o mesmo, é prejudicado. E isso revela-se até nos pormenores.

“A esta hora fecham as estações do metro. Há uma entrada ao pé do meu local de trabalho, mas encerram à noite e temos de ir entrar uns metros mais à frente, o que quando está a chover é muito desagradável”, critica.

A conversa termina pouco depois, José levanta-se e entra no comboio rumo ao outro lado do rio Tejo. Ele é um dos vários milhares de lisboetas que todos os dias circula pela capital entre supressão de horários nos autocarros, metros a abarrotar e tempos de espera que crescem, quase na mesma medida do aumento das promessas do Estado e da autarquia de que o problema será resolvido.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pinto
    12 dez, 2016 Custoias 20:50
    No Porto está a ficar igual.
  • sofia
    06 dez, 2016 carcavelos 23:58
    A falta de qualidade cada vez é maoir tanto a nivel do Metro como da Carris! O metro enche por causa da.quantidade de obras que á na cidade de lisboa, ñ se consegue chegar a horas a lado nenhum quem vai de autocarro, no metro cada vez tem mais gente e menos carruagens... e está o otário do utente que tem que ir trabalhar e usar os transportes publicos e paga um balurdio pelo passe para ter esta m... de transportes é vergonhoso!!!!
  • antonio pais
    06 dez, 2016 lisboa 23:34
    Empurra o Costa a Carris, para todos pagarmos...
  • Lv
    06 dez, 2016 Lx 22:17
    O que eu não entendo é que depois do investimento que os Pafiosos fizeram nos últimos anos, compraram comboios, carruagens, autocarros, investiram em pessoal e agora isto! Só agora.....
  • José marreiros
    06 dez, 2016 Benfica-lisboa 21:58
    Está feita de maneira sóbria e realista está reportagem que retrata os transportes que temos em Lisboa e arredores! Lamentável a falta de respeito pelos utentes!
  • vanda rego
    06 dez, 2016 lisboa 21:55
    Espero que haja uma mudança, pois é indecente estar 45 minutos ou mais à espera do autocarro 735 para ir para casa quando eu que trabalho na linha de Cascais chego à estação do Cais do Sodré em 30 e poucos minutos. Para além da falta de abrigos nos dias de chuva, o pó e o barulho das obras, acresce esta espera toda sem podermos remediar por não termos acesso à linha do metro. Posso dizer que no tempo de espera, apareceu um autocarro para Santa Apolónia e a totalidade dos passageiros mora na Rua Washington
  • PAULO
    06 dez, 2016 LISBOA 19:39
    portugal é um oasis de transportes publicos..e estabilidade
  • Frederico
    06 dez, 2016 Lx 19:31
    NAo percebo muito bem esta questao. Se bem me lembro, já há 30 anos que nas horas de ponta o metro, a cp, etc sao uma desgraca que pode ser contada por este texto. Qual é a novidade? Andava eu na linha de sintra à 30 anos pendurado nas portas dos comboios pois nao havia lugar dentro das carruagens... só deixei de o fazer diariamente quando mudaram para os combios novos e mesmo nesses já fui do lado de fora da porta 1 vez entre a amadora e benfica. pppffff Qual é a novidade?
  • Alberto Costa
    06 dez, 2016 Lisboa 19:30
    - Esta-se a tornar impossível aturar estes comentadores da geringonça.Tenham coragem e comentem com seriedade e sem clubismos.Então um ano não chega para resolver determinados problemas ? já sei, que tudo que corra mal vai ser dos outros. Pois ficam a saber amigos geringonçanos nunca mais votarei em sistemas de esquerda pois dá sempre este resultado. A CULPA DISTO É DOS OUTROS
  • esta noticia
    06 dez, 2016 lis 19:20
    é para atenuar aquela a que se refere "Tribunal de Contas diz que Governo de Passos teve "falta de controlo" na Caixa"...A lei das compensações!