A+ / A-

Maioria dos alunos diz que pais não ajudam no TPC

06 dez, 2016 - 10:37

Numa altura em que os trabalhos de casa têm estado na ordem do dia, vai ser apresentado um estudo sobre a importância que a sociedade portuguesa atribui à educação.
A+ / A-

Os pais estão conscientes da importância apoiar nas tarefas escolares, mas a maioria dos filhos queixa-se que não é ajudado. Esta é uma das conclusões do estudo “Que percepções têm os portugueses sobre o valor da educação?”, do EDULOG, da Fundação Belmiro de Azevedo, a que a Renascença teve acesso.

Apenas 28% dos pais declaram não ajudar os filhos com os trabalhos de casa, apesar de reconhecerem que seria positivo fazê-lo. Segundo Orlanda Tavares, do Centro de Investigação de Políticas do Ensino Superior, estes pais alegam “falta de tempo” e “falta de conhecimentos” para não se envolverem mais.

A grande maioria, contudo, considera que ajuda os filhos nas tarefas escolares. “São pais com níveis de escolaridade mais altos, também mais consistentes nessa ajuda, não só porque estão mais consistentes da importância de apoiar, como se sentem mais preparados para o fazer”, explica a investigadora no programa Carla Rocha – Manhã da Renascença.

Mas os filhos têm outra percepção. “Aqui a situação é mais complicada. Na sua maioria os jovens inquiridos revelaram não terem sido ajudados pelos pais nas tarefas escolares”, refere Orlanda Tavares.

O mesmo inquérito revela que 63% portugueses tem apenas a educação básica, mas apenas 28% revelam a intenção de voltar a estudar. E quanto mais elevado o grau de escolaridade obtido, maior o desejo de voltar a estudar: apenas 13% dos indivíduos que têm escolaridade até ao 2º ciclo pensam fazê-lo, face a 55% dos que têm ensino superior.

A idade é a principal razão apontada para não regressar aos estudos.

O estudo é apresentado na quarta-feira em Coimbra, seguido de uma conferência que será aberta pela investigadora Orlanda Tavares. Este será o mote para a primeira edição do ciclo de conferências EDUTALKS - uma iniciativa do EDULOG, “think tank” da Educação da Fundação Belmiro de Azevedo.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.