O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Hollande não se recandidata à presidência em França

01 dez, 2016 - 19:22

Com esta decisão, François Hollande torna-se o primeiro presidente em funções a não se recandidatar a um segundo mandato em França. Sondagens não são boas para os socialistas, apontando François Fillon e Marine Le Pen numa segunda-volta.
A+ / A-

O Presidente francês, François Hollande, não se vai recandidatar ao cargo nas próximas eleições.

Numa comunicação feita esta tarde aos franceses, e também através de uma série de tweets na sua conta oficial dessa rede social, Hollande diz que não quer contribuir para a dispersão da esquerda.

"Estou ciente dos riscos de enveredar por um caminho que não reuniria apoios suficientes, por isso decidi não me candidatar na eleição presidencial", afirmou Hollande na comunicação televisiva.

"Não quero que a França seja exposta a aventuras que nos poderiam sair muito caras e até perigosas para a nossa unidade, coesão e equilíbrios sociais. Esta é a mensagem que me faz estar aqui hoje: nos próximos meses, o meu dever, o meu único dever, será continuar a dirigir o país que me confiaram em 2012. É a esta tarefa que me vou dedicar de forma plena, e com devoção total à república. Viva a república e viva a França."

Hollande goza neste momento de índices de popularidade extremamente baixos, numa altura em que a extrema-direita tem subido nas intenções de voto em França. As recentes sondagens indicam que as eleições presidenciais serão decididas em segunda volta, pondo frente a frente o candidato da direita François Fillon e a líder da Frente Nacional Marine Le Pen, mas o abandono de Hollande abre espaço para uma nova candidatura à esquerda e vários socialistas já disseram que tencionam participar nas primárias em Janeiro.

Com esta decisão, François Hollande torna-se o primeiro presidente em funções a não se recandidatar a um segundo mandato em França.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António Pais
    02 dez, 2016 Lisboa 11:00
    Fez bem em reformar-se. Antecipa a vitória de LePen, e assim não fica tão humilhado!
  • Eborense
    02 dez, 2016 Évora 01:21
    O Homem que ia mudar a Europa, afinal desistiu. O Sr. Costa pode perfeitamente arranjar-lhe um tacho na geringonça. Tem é que consultar o curriculum, não seja caso que também ele não seja licenciado.
  • Jorge
    01 dez, 2016 Coimbra 19:55
    Mais um colosso Europeu prestes a virar à direita!!!