O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Ministro do Trabalho quer estudar impacto da revolução tecnológica

19 out, 2016 - 20:44

Vieira da Silva considera que o modelo alemão de espaço de reflexão sobre o mercado de trabalho "é um bom modelo, que podia ser replicado em Portugal".
A+ / A-

O ministro do Trabalho, Vieira da Silva, comprometeu-se hoje a criar uma estrutura para analisar de forma aprofundada o impacto da revolução tecnológica no mercado de trabalho, que contará com o apoio da Concertação Social.

"Assumo o compromisso de que rapidamente teremos em Portugal uma estrutura para fazer uma análise aprofundada sobre o impacto da inovação e da revolução tecnológica no mercado de trabalho, que contará com o apoio da Concertação Social", disse Vieira da Silva no encerramento de uma conferência sobre o futuro do trabalho, que decorreu hoje, em Lisboa.

O governante considerou que o modelo alemão de espaço de reflexão sobre o mercado de trabalho "é um bom modelo, que podia ser replicado em Portugal".

O Futuro do Trabalho esteve em debate ao longo do dia numa conferência internacional realizada no âmbito das comemorações do centenário do Ministério do Trabalho e da Previdência Social.

O efeito da revolução tecnológica no mercado e nas relações laborais foi um dos temas em discussão e levou o ministro do Trabalho a defender a aposta na qualificação como forma de enfrentar os riscos inerentes à inovação.

Vieira da Silva, enquanto economista, referiu que em todas as revoluções industriais a destruição de emprego foi inferior à criação de postos de trabalho, o que o leva crer que possa a acontecer o mesmo com a da inovação tecnológica.

"Nem que seja pelas novas necessidades sociais que surgem", disse o ministro, dando como exemplo o turismo, que actualmente está generalizado, quando há umas décadas apenas era acessível a uma minoria.

O governante não desprezou, no entanto, o risco de destruição de emprego com o avanço da tecnologia, mas referiu que a manutenção de determinados postos de trabalho será uma questão de opção e lembrou, a propósito, o facto de continuarem a existir nos Estados Unidos as funções de ascensorista e de empregado de bomba de gasolina, que praticamente desapareceram na Europa.

A utilização crescente da inteligência artificial e da automatização, no âmbito da inovação tecnológica, foi apontada pelos participantes da última mesa redonda como um risco para a redução do mercado de trabalho, cada vez mais rendido ao digital.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.