O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-
Reportagem

Quatro anos que abalaram a confiança da classe média

18 out, 2016 - 19:45 • André Rodrigues

Como vivem as famílias depois dos anos da troika? Que confiança têm no futuro? Na primeira grande reportagem da renovada Renascença, o jornalista André Rodrigues foi à procura das respostas.
A+ / A-

As famílias portuguesas vivem hoje mais desconfiadas em relação ao futuro. Viver depois da crise é uma constante adaptação a uma nova realidade: há menos idas a restaurantes, menos sessões de cinema, férias mais poupadas; para muitas famílias, comprar casa ou carro novo são projectos que se adiam para tempos mais propícios que não se sabe quando acontecerão.

A classe média portuguesa alimentava a ideia de que o emprego era para toda a vida e que a pensão de forma garantia uma velhice sem sobressaltos.

Vieram quatro anos que mudaram tudo. Muitos perderam o trabalho. Outros passaram à precariedade.

A Renascença foi saber o que aconteceu à classe média portuguesa na primeira grande reportagem da renovada grelha. Todas as terças-feiras, depois das 12h00, há uma reportagem para ouvir na antena da sua rádio.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • graciano
    19 out, 2016 alemanha 19:28
    com toda esta macumba que esta a ser feita desde que esta geringonca entrou no governo e caso para dizer comecou a lavagem de cerebro aos portugueses acabou a crise acabou o desemprego acabaram os sem abrigo o governo de socrates mandou o povo pro hospital o governo de passos mandou o povo pra morgue mas nos temos uma maquina de fabricar notas e vamos ressucitar o povo porque nos somos o cristo salvador acabaram se os impostos baixam os precos dos alimentos essenciais os pobres vao passar a ser ricos e os ricos continuram a ser ricos os portugueses nao precisam mais imigrar tal como dizia mario soares a aqui tacho para todos com esse paraiso que este governo criou e esta a criar ate eu que sai desse pais com toda a minha familia ja estou a penssar regressar porque aqui a minha familia tem que trabalhar e estudar viva a geringonca e sobreviva esse paraiso a beira mar plantado kkk
  • Martins
    19 out, 2016 LX 15:03
    "A classe média portuguesa alimentava a ideia de que o emprego era para toda a vida e que a pensão de reforma garantia uma velhice sem sobressaltos." Só quem nunca trabalhou no sector privado poderia ter esta ilusão! Ou andar mesmo muito distraído. A culpa deste desaire dos 4 anos de troika nunca foi das pessoas, mas sim dos incompetentes que governaram este país e que o sujeitaram a uma vergonhosa bancarrota. Os responsáveis disto sacodem como sempre a água do capote e culpam a "crise" internacional e o governo seguinte, mas a verdade é só uma: incompetência e corrupção.
  • jose augusto
    19 out, 2016 13:51
    Muito obrigadinho "sr, Engº" SOCRATES, queriam milagres depois de 20011. ´só em Fátima.Coitado do passos onde se meteu.
  • paulo
    19 out, 2016 vfx 07:38
    Será que o passos e a cristas leem esta noticia?espero que sim e que se deixem de criticas a tudo e a todos e começem a ser mais pro-activos a bem do país e do povo.
  • joao123
    19 out, 2016 lisboa 07:19
    Resultado natural de um país que foi à falência em 2011. Estranho era que não tivesse consequências disso . Esperemos que não se repita num futuro próximo...
  • Filipe Cunha
    18 out, 2016 Ovar 19:52
    Muito obrigadinho (tra)Passos Coelho e demais PÁFia!