A+ / A-

Em Espanha, urinar na rua vira-se contra quem o faz

05 jul, 2016 - 17:04

As festas de San Fermín vão experimentar uma solução inovadora contra uma prática que provoca prejuízos de milhares de euros.
A+ / A-

As festas de San Fermín, em Pamplona, Espanha, terão, este ano, um aliado para travar um gesto pouco cívico: um novo líquido que faz a urina ressaltar para as pernas e pés das pessoas.

As festas de San Fermín levam milhares de pessoas às ruas de Pamplona. Os touros, largados pelas ruas, são as estrelas das festas. Estima-se que os gastos provocados pela urina nestas festas alcancem os 10 mil euros.

Este ano, os serviços de limpeza vão combater o problema com o lançamento do repelente “CK-Splash Back”. Este líquido “provoca um ressalto da urina na parede e a pessoa acaba por urinar as calças e os sapatos”, explica Ezenarro Iñaki, responsável dos serviços públicos da cidade espanhola de Hernani, que já experimentou o “CK-Splash Back”.

Em declarações ao diário “El País”, Iñaki acrescenta que “o produto torna a parede impermeável, e consequentemente, a urina salpica mais do que o normal. É como se aplicasse uma película de azeite sobre uma superfície: ao deitar um líquido sobre ela, vai ressaltar mais do que o habitual”.

Esta novidade encontra-se em fase de melhoramento e a principal dúvida reside sobre a durabilidade do efeito. “Não sabemos quando é preciso aplicar o líquido de novo. Contudo, fica mais económico a aplicação deste líquido do que ter constantemente um trabalhador a lavar as paredes”, conclui.

O líquido, produzido pela empresa Kliner Profesional, funciona a dois níveis. “Por um lado, é dissuasor; por outro, a superfície permanece limpa por mais tempo”, explica Beñat Zárate, responsável de marketing da empresa.

Também na Alemanha, há iniciativas idênticas. Em Hamburgo, é utilizado um aerossol que resulta, igualmente, num ressaltar de urina para os pés e pernas das pessoas. Os alemães apelidaram o evento de “pintura hidrofóbica”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Zequinha
    06 jul, 2016 Seia 09:54
    Em vez de mijarem contra a parede, mijem de costas para a parede! :)
  • ganga
    06 jul, 2016 pombal 00:57
    E quem que garante que so se mija contra a parede?
  • Toninho Marreco
    05 jul, 2016 Lapa- Lisboa 23:14
    Uma grande invenção . Sem dúvida .Santa porcaria .Este Mundo é uma risota ...
  • AB
    05 jul, 2016 Evora 22:00
    E por acaso há alternativas? Há WCs públicos suficientes? Muitas vezes não há, há tempos estive num parque onde não havia nenhum cesto de lixo. Não pode ser só querer as pessoas (e o dinheiro) e não criar condições.
  • Mona Lisa
    05 jul, 2016 Lisboa 21:12
    Então e que tal arranjarem mais wc públicos ou wc portáteis não?
  • Zé Nabo
    05 jul, 2016 Porto 20:53
    Se estiverem suficientemente bêbados fazem dentro das calças.
  • 05 jul, 2016 20:29
    Em Portugal dava jeito.
  • fr
    05 jul, 2016 portugal 18:13
    os bêbados só notam quando chegam a casa, de qualquer das maneiras.
  • Imprensa = vergonha
    05 jul, 2016 secreta 17:50
    Que vergonha, então agora colocam uma publicidade na categoria de "notícia"? Ao menos tenham a decência de colocar de forma clara e bem visível, para que não hajam enganos, o seguinte: «Artigo patrocinado por:» E neste caso específico acrescentam: CK-Splash Back, fabricado por Kliner Professional Eu sei que a imprensa passa dificuldades, mas não é assim que as vão ultrapassar. Pelo contrário, deixam de ser considerados "imprensa de referência" a passam a ter rating de LIXO, dado pelas agências de notação da imprensa, os leitores. Mas pior que isso é que esta publicidade nem sequer foi paga ao site da RR, foi uma publicidade paga ao El País e a RR limitou-se a colocar aqui a tradução. QUE TRISTEZA!!!