O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Faz falta o Dia dos Irmãos? Eles dizem que sim

31 mai, 2016 - 07:30 • Matilde Torres Pereira

A 31 de Maio celebra-se o Dia dos Irmãos, um dia que é para já uma efeméride informal, mas que a Associação das Famílias Numerosas quer oficializar junto do Parlamento. Para isso, já reuniu milhares de assinaturas.
A+ / A-

Já há o Dia da Mãe, há o Dia do Pai, há também o Dia dos Avós – que foi entretanto proclamado pela Assembleia da República. O que falta? O Dia dos Irmãos, responde José Ribeiro e Castro, advogado e ex-líder do CDS, um dos promotores que quer fazer do 31 de Maio uma data para celebrar este laço familiar.

“Era a festa que faltava”, afirma à Renascença Ribeiro e Castro. “Porque é a relação mais forte e duradoura ao longo da nossa vida. E também, se pensarmos em tudo o que são os irmãos (os tios, que são os irmãos dos pais; os primos, que são os filhos dos irmãos dos pais e alguns como se nossos irmãos fossem; os sobrinhos, que são filhos dos irmãos, no fundo), é a relação que estrutura uma rede familiar vasta e ampla.”

Outra razão que levou o antigo deputado a apoiar esta causa foi a relação com o irmão, Fernando, fundador da Associação das Famílias Numerosas, já falecido. “Ele pode morrer, mas não se extingue, não desaparece, é uma relação muito forte que tenho na minha vida, uma cumplicidade muito forte, e sou sensível a isso, como outros”.

Para provar isso, a associação pediu a várias figuras públicas que dessem, através da imprensa, o seu testemunho do que é ser irmão. Entre elas encontra-se Pedro Rebelo de Sousa, irmão do Presidente da República, e os irmãos Sá Fernandes. “Os relatos são muito tocantes, são muito fortes na sua autenticidade e genuinidade humana”, descreve Ribeiro e Castro.

O facto de a data se celebrar na véspera do Dia da Criança não é mera coincidência. “É uma espécie de anúncio às crianças relativamente aos seus irmãos, os que já têm e os que vão ter, na linha de uma frase que o meu irmão dizia muitas vezes: ‘Se queres ver uma criança feliz dá-lhe um irmão, se queres ver uma criança muito feliz dá-lhe muitos irmãos’."

O Dia dos Irmãos já existe oficialmente a nível europeu desde 2014, mas o que muita gente não sabe é que “estes dias existem porque a sociedade civil os assume e os afirma e os divulga”, diz o advogado. “O Dia da Mãe ou o Dia do Pai, por exemplo: não há nenhuma lei ou resolução que os tenha proclamado, é uma tradição antiquíssima.”

A adesão a este dia tem crescido, diz Ribeiro e Castro, e a associação acredita que este ano vai crescer ainda mais, com o empurrão das redes sociais e de iniciativas empresariais. A Delta Cafés, por exemplo, decidiu este ano lançar uma edição de pacotinhos de açúcar com referência ao dia, e a CP introduziu novidades para o 31 de Maio. Também o El Corte Inglés se associou ao dia, tal como o Pingo Doce.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Serafim moura
    31 mai, 2016 Moreira do castelo 13:30
    Sim eu gostava muito que isistise o dia do irmão 😊😊😊😊
  • Judite Gonçalves
    31 mai, 2016 Barreiro 10:46
    Acho que este dia é merecido. Não há nada que consiga explicar a riqueza de ter um ou mais irmãos. Eu tenho 4 e eles, juntamente com o meu filho e a minha mãe são os meus bens mais preciosos. Cada vez que penso nisto sinto uma grande tristeza por não ter oportunidade de oferecer ao meu filho a felicidade de ter pelo menos mais um irmão. Ele mesmo diz que era o melhor presente que eu lhe podia dar. Muitas vezes nós caímos na ideia de ter só um filho para lhe poder dar tudo, mas no fundo não lhe damos o mais importante. Um Irmão. Alguém que partilhe com ela, as brincadeiras, os segredos e cumplicidades.
  • Bela
    31 mai, 2016 Coimbra 10:10
    Para quê? Numa época em que grande parte das pessoas são filhos únicos? Parece-me mais uma grande oportunidade para depois as empresas tentarem impingir bens relacionadas com o dia e será um bom negócio para a restauração.
  • manuel Duarte Machad
    31 mai, 2016 Oeiras 10:03
    Esta gente (Associação de Familias não sei de quantos....) não tem mais nada que fazer? Se fossem lavar o tecto ao Rossio ? É mais uma associação de fantasma para ter protagonismo na C.S. ! e esta está sempre ávida de coisas...pretende é vender papel e não só! Portugal tornou-se num País da Treta!. Cheio de "Chanfrados"!
  • Zé Povinho
    31 mai, 2016 Lisboa 09:49
    Foi bonito ter irmãos, enquanto os meus pais estiveram vivos. Depois que partiram para o outro mundo, os irmãos tornaram-se nos piores inimigos de sempre: Invejas, traições, calúnias, acusações, ódios, tudo por causa de património. Dispenso o dia dos irmãos!
  • Anuario lsmael
    31 mai, 2016 vila de bajone zambezia 08:15
    eu lamendo pasdant odia dos irmãos expero k tenham ofeliz o dia dos irmãos