|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Óbitos

A+ / A-

Pobres ficaram 25% mais pobres durante os anos da “troika"

09 mai, 2016 - 09:13

Estudo da Rede Europeia Anti-Pobreza revela dados sobre os anos mais duros da crise. Muitas instituições de solidariedade social tiveram de se endividar para poder continuar a ajudar.

A+ / A-

Veja também:


Os portugueses mais carenciados ficaram 25% mais pobres durante os anos em que decorreu o programa de ajustamento financeiro. Entre os mais ricos, o impacto da crise foi bem menor, revela à Renascença o presidente da Rede Europeia Anti-Pobreza.

“Verificou-se uma pobreza generalizada em todo o país e em todos os sectores. É claro que nos mais ricos foi menor, foi de 5%, e nos mais pobres de 25%”, indica o padre Jardim Moreira.

Aumentaram as assimetrias e, de acordo com o estudo que a Rede Europeia Anti-Pobreza apresenta esta segunda-feira, as instituições de solidariedade social também viram emagrecer os seus orçamentos, ao ponto de algumas terem de se endividar.

“As instituições, não tendo receitas, tiveram de emagrecer também as suas respostas, porque o dinheiro não chega. Algumas tiveram de se endividar, outras gastaram o que tinham, outras recorreram a voluntariado ou a patrocínios de gente e instituições que pudessem apoiar as despesas, para poderem manter a sua instituição aberta”, afirma o padre Jardim Moreira.

O estudo "Impacto social e institucional da crise económica e financeira” vai ser apresentado num encontro de associados, em Santarém.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuel D.
    18 set, 2016 Casal do Marco 18:30
    Porque é que poucos não querem analisar porque Portugal pediu ajuda em 2011? Trafulhice nos bancos Lehman Brother´s, Golden Sachs, DeutschBanK; subprime; bolha imobiliária; crise financeira nos bancos europeus; endividamento dos países da união europeia; crise das dívidas soberanas; aumento dos juros nos países mais frágeis; não aprovação do PEC IV; políticas incorretas em Portugal, desde 1986. De trás para a frente, tudo isso foi a origem do pedido de ajuda em 2011. A união europeia, em 2008, obrigou os países daquela união a endividarem-se; em 2009, reverteu a política, e obrigou esses países a cortar, cortar e cortar. Onde? Nos rendimentos do trabalho, que era o mais fácil. Daí a perda de rendimentos, de 2009 a 2015.
  • graciano
    17 set, 2016 alemanha 13:30
    o povo portugues comecou a ficar pobre no 25 de abril dai para ca foi sempre a empobrecer mario soares foi o 1 a recorrer ao fmi e a dizer cada portugues deve 100 contos ao estrangeiro nunca entedi porque e que eu devia 100contos se nao tinha recebido nenhum depois acabou com a lisbor e passamos para a eurobor tinha um credito a habitacao pagava 43contos de juros com o fim da lisbor que tinha sido criada por sa carneiro eu levei um aumento na prestacao de 7contos passando de 43 para 50 quanto as criticas ao governo de passos e triste ver como ha tanto ignorante nesse pais que nao saiba ver que no tempo de socrates ja havia falta de acucar nesse pais porque o pais nao tinha dinheiro nem credito e para ver claro quais sao as politicas mas reinosas para um pais e para o povo basta ver o que se passa na venezuela quero aqui relembrar que o 13 mes e o subsidio de ferias foram criados por marcelo caetano antes do 25 e que o mario soares quando da 1 entrada do fmi nesse pais ele tentou cortar foi o governo mario soares que criou o imposto complementar em resumo o pais tem vindo a empobrecer a 40 anos porque nao ha controle nos dinheiros do estado ha gente a receber o salario minimo e a trabalhar politicos e gestores a receberem milhoes dinheiros mal gastos e mal geridos na cultura na educacao na saude empresas do estado a darem milhoes de prejuizo esse pais esta doente e so se curaria com um 24 de abril
  • ANTÓNIO SANTOS
    10 mai, 2016 ALCOENTRE 11:19
    É sempre bom saber estas coisas, mas agora que já não é assim, porque o Povo já ficou cheio de dinheiro, vamos tentar esquecer tudo isso, ou é para continuar?
  • fanã
    09 mai, 2016 aveiro 19:35
    Nada de novo .... sempre assim foi !
  • Oliveira Santos
    09 mai, 2016 Porto 15:33
    O estudo não está completo sem que esclareçam qual a facha de rendimentos dos pobres a que se referem!
  • paulo
    09 mai, 2016 vfxira 12:02
    O problema de Portugal é a falta de visão dos políticos para o desenvolvimento do país e criar melhores condições de vida para o povo,a visão deles (políticos) é outra,nunca se ouviu tanto falar em corrupção,extratagemas e afins para a ganância,a cumplicidade entre o sistema politico e o bancário,daí não ser novidade o que está a acontecer,pobreza,desemprego,emigração,as "falências" dos bancos etc etc......mas "eles" sabem que nada lhes acontece.....ninguém é responsabilizado,ninguém é condenado e muito menos preso neste país,por lesar o país em milhares de milhões de euros,o povo.....paga e fica cada vez mais pobre e triste.....a sentir que não há futuro para os seus filhos na terra que os viu nascer.Um dia....talvez a sociedade civil acorde e peça responsabilidades aos políticos que ajudou a eleger e lentamente mudar este sistema de coisas que de bom tem muito pouco ou nada.
  • A culpa é minha
    09 mai, 2016 dequalquerlado 11:52
    Oh manuel, tu não dizes nada, só para defender o teu partido. E esta europa serve os portugueses? Uma europa que permite os ofshores, uma U.E desigual nos salários, somos dos mais desiguais. Uma união europeia fascista que serve os interesses de alguns mas que impõe austeridades, retiram direitos, retira-nos competitividade e servem-se de politicas para beneficiar uns mas massacrar outros. Quanto aos políticos, estes têm muito que se lhe digam, desde a incompetência à corrupção, em que andaram a governar para os seus interesses e a dos amigos, nem que para isso tivessem que defender também mais o interesses de estrangeiros. Está certo o que dizes o povo é que têm votado, mas não há nada pior que um povo que não sabe pensar. E quanto ao coelho, governou estes 4 anos. Um lambe botas, um traidor aos trabalhadores, que lhes impediu de ganhar salários com dignidade, apostando em baixos salários, na precaridade para servir patrões e empresários, e com a cara de pau ainda dizer que os portugueses tinham que empobrecer ou emigrar. E é com grande indignação que muitas vezes ouço patrões sem escrúpulos, muito piores qualificados do que muitos desempregados dizerem que as pessoas não têm formação adequada. Não é só portugal que está endividado. Oh manel tira a pala dos olhos, ou então vai tratar das cataratas, é que vês só umas coisas e o que te interessa, mas outras nada...
  • Luis
    09 mai, 2016 Lisboa 11:49
    MANUEL. Foi muito o tempo em que esteve ausente de Portugal? Foi com toda a certeza. É que a sua narrativa já foi mais que desmascarada há anos. Actualize-se. Informe-se na Caranguejola qual é a nova narrativa. A Caranguejola está de tal maneira desacreditada que cada nova narrativa dura apenas 48 horas. Já nem a maior parte do PaFalhados acredita nas narrativas da Caranguejola.
  • Manuel
    09 mai, 2016 Lx 11:02
    O período da Troika é objectivamente uma consequência dos governos que a antecederam. Primeiro endividaram o país de uma forma brutal e depois o fiasco que tínhamos como ministro das finanças e já sem dinheiro nos cofres foi obrigado a pedir auxílio. Todas as regras de bom-senso financeiro foram ignoradas nesses anos e na realidade os portugueses ficaram mais pobres como consequência desse desvario. Mas há que relembrar que eses governantes foram colocados no poder com eleições democráticas. Portanto não se queixem. Aliás agora com os actuais governantes da mesma estirpe já estamos a assistir a algo muito parecido. Vai ser só uma questão nde tempo.
  • Ora bem!
    09 mai, 2016 dequalquerlado 10:07
    "Pobres ficaram 25% mais pobres durante os anos da “troika"" Mas não foi porque as pessoas é que andaram a gastar acima das suas possibilidades? Foi o coelho, os seus seguidores, a comunicação social, os argumentadores que as tvs convidaram e tantos e tantos a querem convencer toda a gente com se toda a gente fosse parva, é claro que os parvos e muitos destes que não sentiram tanta a crise e que gostam de se achar melhor do que os outros, é claro que foi fácil convencê-los. Há pessoas que não têm nada no cérebro, como também sofrem de cegueira. Foram tantas vezes que ouvia esta frase na tv, até por jornalistas. Vergonhoso! Em vez de apontarem as causas, para se perceber culpados, vomitavam até mais não poder ser: os portugueses é que andaram a gastar acima das suas possibilidades. Não foi só com a troika, desde que aderimos à moeda única o nível de vida começou a subir de 8 para 80, foi o salário pelo escudo mas com a nova moeda foram muitas das coisas subindo para o dobro, sem qualquer controlo, e,hoje, com salários que pararam no tempo, paga-se até bens alimentares 2 ou 3 vezes mais. Enfim, um país sempre a andar para trás. Um país que perdeu a sua autonomia, a sua liberdade e até democracia, pelos lambe botas que têm servido mais os interesses dos estrangeiros do que pelo seu país e seu povo. Mas só agora é que a comunicação social está vendo isto. E onde estão os fascistas, lambe cus e quejandos? Este país nunca mais sai do fosse, com estas mentalidades....