O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Fora da Caixa

As “burrices” de Bruxelas

22 abr, 2016 - 23:42 • José Pedro Frazão

No “Fora da Caixa” desta sexta-feira, António Vitorino e Pedro Santana Lopes falaram sobre o programa de estabilidade que Portugal vai remeter a Bruxelas e as recomendações de política económica e financeira da Comissão Europeia, contidas no recente relatório de avaliação pós-programa da troika.
A+ / A-
Fora da Caixa (22/04/2016)
Fora da Caixa (22/04/2016)

As recomendações de política económica e financeira da Comissão Europeia, contidas no recente relatório de avaliação pós-programa da troika, são mais do mesmo e Portugal tem o dever de propor alternativas. A opinião é dos comentadores Pedro Santana Lopes e António Vitorino no programa "Fora da Caixa" da Renascença.

O antigo primeiro-ministro português reconhece coerência ao que Bruxelas defende quando propõe reformas como as do mercado de trabalho e da administração pública.

"Não vou citar um ditado português sobre quem é que aprende línguas, mas o saber é muito antigo. Lá há um certo tipo de saber, uma linha de política, económica e financeira em que a Comissão Europeia acredita", constata Santana Lopes, para quem António Costa pode também replicar com propostas alternativas.

"Também é admissível e faz sentido que o Governo português possa dizer que não está de acordo e que possa querer negociar e propor caminhos alternativos", afirma Santana Lopes no programa "Fora da Caixa" da Renascença.

Para António Vitorino, o processo de ajustamento dos últimos anos não parece ter constituído uma lição. "Para usar a expressão que o Pedro usou, o problema nisto não é o burro velho não aprender línguas. Não é por ser velho. É por ser burro. Aqui parece que ninguém aprendeu nada", argumenta o antigo comissário europeu.

Insensibilidade social de Bruxelas

O militante do PS critica a oposição de Bruxelas ao aumento do salário mínimo nacional, sublinhando ser uma proposta recorrente da Comissão Europeia.

"É um tipo de recomendação que revela uma enorme insensibilidade social. Ignora o significado da pobreza das pessoas que trabalham em Portugal, dos trabalhadores pobres. Acho que muito dificilmente um governo nacional pode concordar com uma burrice tamanha, para utilizar a mesma expressão", afirma Vitorino, que admite que há outras propostas que podem fazer sentido como a reforma da administração pública. "Tudo depende do que se entende por isso".

O antigo comissário europeu classifica este relatório como um aperitivo para a "verdadeira negociação" em torno do Programa de Estabilidade e Crescimento. "Vamos ter um mês de Maio cheio de braços, bracinhos e brações de ferro", ironiza António Vitorino.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.