A+ / A-

Transtejo tem 12 dos seus 30 navios parados. Porquê?

19 abr, 2016 - 13:08

"São cancelados, em média, seis serviços por dia na Transtejo e seis por semana na Soflusa", apontam os deputados do PCP.
A+ / A-

O Grupo Transtejo, responsável pelas ligações fluviais entre a margem sul e Lisboa, esclareceu tem 12 dos seus 30 navios imobilizados, mas assegura que cumpre todas as certificações necessárias.

Um comunicado explica que das 12 embarcações imobilizadas, "oito estão em manutenção, sendo expectável que, nas próximas semanas, três desses navios regressem ao serviço".

O PCP, através dos deputados eleitos por Setúbal, questionou o Governo sobre a situação da empresa, frisando que, devido à falta de trabalhadores e "constrangimentos operacionais", existem serviços que não são efectuados.

"São cancelados, em média, seis serviços por dia na Transtejo e seis por semana na Soflusa", referem os deputados, acrescentando que se regista uma "grande imobilização de embarcações".

"Na Transtejo, é quase na ordem dos 50%, em consequência da falta de manutenção da frota, das avarias não resolvidas e da falta de renovação dos certificados de navegabilidade. Isto provoca a supressão de cada vez mais carreiras, com claros prejuízos para os utentes", acrescentam.

Os deputados questionaram o Governo sobre que medidas estão consideradas para a "adopção urgente de [um] plano de modernização" da frota da Transtejo e Soflusa e implementação de um plano de manutenção que devolva a fiabilidade à operação.

O grupo, que engloba as empresas Transtejo e Soflusa, explica que existem quatro navios imobilizados por estarem em processo de obtenção de novo certificado de navegabilidade "Estavam envolvidos no anterior processo de alienação, entretanto suspenso, por isso não podiam ser considerados parte da frota disponível", adianta.

A empresa refere que que está empenhada no plano de manutenção, garantindo que dispõem de todas as certificações necessárias às intervenções que realizam na frota.


legislativas 2019 promosite
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • A.Bento
    23 abr, 2016 Almeirim 12:12
    Um mau hábito tão ao gosto do português, que sabe de "tudo", fala de tudo etc... mas uma mentira tantas vezes dita, não acaba por ser verdade........"De maior gravidade, melhor dizendo completa irresponsabilidade é a continuidade da operação fluvial entre o Barreiro-Lisboa, continuar a ser realizado por uma “pseudo-empresa” que não tem a devida autorização legal (concessão)( ) para operar no transporte fluvial. ( anote-se que a Soflusa, que era uma empresa do grupo CP, para garantir as ligações de caminho de ferro entre Lisboa e o Barreiro, que foi extinta logo que se iniciou a referida operação pela ponte 25 de Abril, tendo a Transtejo em 2001 adquirido todo o seu património (por cerca de 11,5 milhões de euros) e passando a garantir as ligações fluviais entre Lisboa e o Barreiro). Ora, se 2001 a CP-Caminho de Ferro Portugueses EP, alienou a totalidade do capital social da SOFLUSA, tendo o mesmo sido adquirido pela Transtejo, e sendo a Soflusa uma empresa constituída para permitir a continuidade das ligações ferroviárias, não tendo a CP concessionado essa ligação à Transtejo, como é possível que a SOFLUSA, não tendo qualquer contrato de concessão ou qualquer licença para ocupação e uso privativo, continue a operar no serviço publico fluvial? E se o acidente fosse nessa ligação Barreiro-Lisboa? Quem assumia a responsabilização?
  • carmom
    19 abr, 2016 FAMALICÃO 19:11
    Enquanto as pessoas que nunca os utilizaram pagarem,podem estar parados sempre.O governo anterior tinha prometido fazer a junção das duas empresas,para tentar reduzir os prejuízos.Faltou-lhe a coragem.Agora podem fazer o que quiserem ,que alguém pagará.
  • carmom
    19 abr, 2016 FAMALICÃO 19:11
    Enquanto as pessoas que nunca os utilizaram pagarem,podem estar parados sempre.O governo anterior tinha prometido fazer a junção das duas empresas,para tentar reduzir os prejuízos.Faltou-lhe a coragem.Agora podem fazer o que quiserem ,que alguém pagará.
  • 19 abr, 2016 LISBOA 14:28
    SE CALHAR É PORQUE OS TRABALHADORES ESTÃO EM PLENÁRIO como vem sendo hábito!!!!