|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Maria Luís: Oferta de 700 milhões pelo Banif foi apenas mais uma "manifestação de interesse"

13 abr, 2016 - 10:21

Governo de Passos Coelho terá recusado a oferta da Ample Harvest Investment Capital. Uma proposta que nunca foi referida nas audições que decorrem no parlamento.

A+ / A-

A ex-ministra das Finanças Maria Luís Albuquerque reafirma que o Governo teve várias "manifestações de interesse" pelo Banif, mas que se encontrava na altura a estudar soluções.

“Era uma manifestação de interesse, como outras que nós recebemos. Como tive ocasião de explicar, entendemos que não havia condições para abrir um concurso – estávamos a preparar o processo de reestruturação para abrir o concurso de venda, que efectivamente aconteceu antes do final do ano. Aliás, o investidor em causa que é hoje referido nas notícias nem sequer veio a esse concurso”, explicou a deputada social-democrata, esta quarta-feira, na Assembleia da República.

“Suponho que todos os documentos constem da comissão e, portanto, há-de estar lá essa intenção como as outras”, afirmou a agora deputada do PSD, acrescentando que o seu Governo entendeu que “não havia condições na altura para abrir um concurso”.

Quando questionada sobre as razões que levaram o anterior executivo a não considerar esta proposta da Ample, Maria Luís Albuquerque afirmou que "quando o Estado tem uma participação para vender, tem de o fazer em determinadas condições".

Por exemplo - especificou - "não o pode vender a ofertas particulares, teria de abrir um processo competitivo, teria de seleccionar os compradores que viriam a comprar a participação do Estado".

A deputada disse que, na altura, o Governo de que fazia parte estava "muito empenhado em concluir o processo com a Direcção-Geral da Concorrência [da Comissão Europeia]" e sabia que "seria impossível vender o banco sem que esse processo estivesse concluído".

Banco vendido por 150 milhões

No final do ano, a instituição financeira acabou por ser vendida, por 150 milhões de euros, ao Santander Totta. O negócio significa uma factura para os contribuintes no valor de 2.255 milhões de euros.

Passos Coelho terá recusado uma proposta de 700 milhões para comprar o Banif, segundo avança uma notícia do “Público”, que cita uma carta que até agora não terá sido referida na comissão parlamentar de inquérito, nem consta dos documentos entregues no parlamento.

A proposta terá sido avançada pela Ample Harvest Investment Capital, um fundo com sede em Hong Kong. Segundo o jornal, na altura, o Governo de Pedro Passos Coelho considerou que a proposta implicava uma perda para os contribuintes de 125 milhões de euros, mas actualmente, o prejuízo pode chegar aos três mil milhões.

Até à venda ao Santander, o Banif ainda devia ao Estado 825 milhões de euros e a Ample oferecia 700 milhões, além e da manutenção dos postos de trabalho no banco e na Açoreana Seguros.

O jornal cita uma fonte da anterior tutela das Finanças e uma fonte não oficial do Banco de Portugal.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Alberto Martins
    13 abr, 2016 Lisboa 11:44
    E ninguém vai preso? "Até à venda ao Santander, o Banif ainda devia ao Estado 825 milhões de euros e a Ample oferecia 700 milhões, além e da manutenção dos postos de trabalho no banco e na Açoreana Seguros." "A proposta terá sido avançada pela Ample Harvest Investment Capital, um fundo com sede em Hong Kong.""Segundo o jornal, na altura, o Governo de Pedro Passos Coelho considerou que a proposta implicava uma perda para os contribuintes de 125 milhões de euros, mas actualmente, o prejuízo pode chegar aos três mil milhões." Então a Luis/passos coelho criam um prejuizo para os contribuintes em quase 3 mil milhões de euros que era perfeitamente EVITÁVEL só para engordar a carteira dos futuros patrões da LUIS...e NINGUÉM VAI PRESO? O que é que o Ministério Publico anda a fazer?
  • Luis Santos
    13 abr, 2016 Almada 11:26
    Suponhamos que esta empresa dava 700 milhões para comprar o Banif mas não queria "entrar" com mais algum por fora para "ajudas de custo". Ora, isso era negocio que interessasse?
  • figueiredo
    13 abr, 2016 Cacia 11:21
    Mas que culpa teve o anterior governo? Se estiveram a desgovernar o País e a roubar os pobres,foi porque tiveram mais votos.
  • Luis
    13 abr, 2016 Lisboa 11:04
    Foi só mais uma manifestação de interesse que não foi aprofundada e não avançou porque houve falta de tempo. A Caranguejola PaFalhada estava com pouco tempo pois já naquela altura perdiam muito tempo a saber quanto é que o Lacerda ia receber da Geringonça. Cambada de parasitas que deveriam ser todos presos se este País não fosse um País de mansos. Neste momento estão todos mais preocupados com as birras dos Militares por causa dos meninos gays. E assim vai este País cada vez mais esmiifrado por parasitas.
  • desatina carreira
    13 abr, 2016 queluz 10:59
    Foram indícios os laranjas adoram indícios
  • paveias
    13 abr, 2016 aqui 10:58
    Triste povo que è roubado e nada faz..