O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Promessa de ​"bofetadas" leva deputado do PSD a pedir a demissão de João Soares

07 abr, 2016 - 12:17 • Pedro Rios

Vice-presidente da bancada parlamentar diz que ministro da Cultura só tem esse caminho. Outro deputado critica declarações "verdadeiramente inqualificáveis" e que demonstram um "padrão" no PS.
A+ / A-

O vice-presidente do grupo parlamentar do PSD Sérgio Azevedo pede a demissão do ministro da Cultura, João Soares, que prometeu “salutares bofetadas” a dois críticos da sua política.

“Um ministro (sim com m pequeno, minúsculo) que promete 'bofetadas' a um crítico, para além de ser um tipo pequenino, só tem um caminho: a demissão!”, escreve o deputado no Facebook.

Pelas 12h30, no Parlamento, o deputado do PSD Hugo Soares afirmou que as declarações de Sérgio Azevedo foram feitas a título pessoal e não vinculam o partido. Mas criticou as declarações "verdadeiramente inqualificáveis" do ministro.

"São inqualificáveis tanto mais porque demonstram o padrão do PS na reaçcão às críticas legítimas que lhe são feitas", afirmou.

O deputado do PSD frisou que o primeiro-ministro, António Costa, "chegou a enviar SMS para jornalistas criticando quem tem o dever de fazer o comentário político e as notícias". Uma referência ao episódio polémico da mensagem enviada por Costa a João Vieira Pereira, director-adjunto do "Expresso".

Contactado pela Renascença, o gabinete do ministro da Cultura remeteu para mais tarde eventuais esclarecimentos sobre o caso.

Críticas à direita e à esquerda

No Facebook, José Ribeiro e Castro, ex-líder do CDS, escreve que "há erros fatais, erros que não descolam mais. Além do despautério, este é um bom exemplo de erro fatal."

As críticas a João Soares surgem também à esquerda. O comentador Daniel Oliveira diz que “um ministro que ameaça fisicamente quem o critica não pode ser ministro”.

“Depois deste post João Soares tem de se demitir, António Costa tem de se demarcar desta ofensa à democracia e os partidos que sustentam o governo têm de ser muitíssimo claros. Não há inimputáveis em política e se permitimos que a ameaça física passe a ser a forma dos governos reagirem à crítica tudo é possível”, escreve no Facebook o comentador do “Expresso” e da SIC Notícias.

Na mesma rede social, o deputado do Bloco de Esquerda José Soeiro é mais parco em palavras: “Umas bofetadas? O homem passou-se...”

"Salutares bofetadas"

João Soares acusou esta quinta-feira, através do seu perfil pessoal no Facebook, o crítico cultural Augusto M. Seabra de escrever “calúnias”, prometendo-lhe umas “salutares bofetadas”. Vasco Pulido Valente, também colunista do "Público", é igualmente alvo da promessa de João Soares.

“Em 1999 prometi-lhe [a Augusto M. Seabra] publicamente um par de bofetadas. Foi uma promessa que ainda não pude cumprir. Não me cruzei com a personagem, Augusto M. Seabra, ao longo de todos estes anos. Mas continuo a esperar ter essa sorte. Lá chegará o dia. Ele tinha, então, bolsado [bolçado] sobre mim umas aleivosias e calunias. Agora volta a bolsar [bolçar], no ‘Público’”, escreve o ministro.

Em causa está o texto que Augusto M. Seabra assinou na edição de quarta-feira do “Público” , com o título “’Tempo Velho’ na Cultura”.

“A nomeação de João Soares para ministro da Cultura foi uma surpresa que permanece inexplicável já que passados quatro meses não afirmou uma linha de acção política, tão só um estilo de compadrio, prepotência e grosseria. De resto, não tinha qualificações particulares para o cargo”, argumenta o crítico e sociólogo.

Augusto M. Seabra classifica João Soares como um “derrotado nato – perdeu as eleições autárquicas em Lisboa e em Sintra e para secretário-geral do PS – mas também um caso de obstinação”.

“Que um governante se rodeie de pessoas de confiança é óbvio. Mas no caso do gabinete de Soares trata-se de uma confraria de socialistas e maçons”, refere ainda Seabra. “A isto se chama amiguismo, o gesto mais clamoroso sendo a nomeação de um velho apparatchik, Elísio Summavielle, para o CCB, em lugar de António Lamas”.

Vasco Pulido Valente: PS atura Soares por "caridade"

João Soares cita “uma amiga” para criticar o crítico: "Eis o verdadeiro vampiro, pois alimenta-se do trabalho (para ele sempre mau) dos outros." E conclui: “Estou a ver que tenho de o procurar, a ele e já agora ao Vasco Pulido Valente, para as salutares bofetadas. Só lhes podem fazer bem. A mim também."

Vasco Pulido Valente escreveu a 4 de Abril um texto crítico da forma como António Lamas foi demitido do CCB.

"O ministro podia ter chamado discretamente o director do CCB para o demitir, alegando, como está no seu direito, falta de confiança política ou pessoal. Mas João Soares preferiu fazer do incidente um espectáculo público. Ameaçou o dr. Lamas, exibiu os seus poderes (que lhe vêm exclusivamente do cargo) e no fim ainda se foi gabar para a televisão. Não se percebe o motivo de toda esta palhaçada, excepto se pensarmos que ele é no governo um verbo-de-encher e que o PS o atura por simples caridade", escreve.

"Como o dr. João Soares muito bem sabe, não tenho por ele qualquer respeito nem como homem, nem como político", refere Pulido Valente.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • jacc
    08 abr, 2016 evora 17:30
    Um deputado destes " com muito pequenino" tambem pediu a demissao do passos coelho quando nao pagou a ss. Como o dr. João Soares muito bem sabe, não tenho por ele qualquer respeito nem como homem, nem como político", refere Pulido Valente.comigo mandava o a merda e nao lhe dada bofetadas porque nem isso merece
  • Pedro Silva
    07 abr, 2016 Lisboa 18:32
    Ditador de " pantufas " ele os Soares todos, já fizeram o que Portugal tem de pior.....um rapazinho que foi o deputado mais faltoso 360 e tal faltas, volta a ser eleito, e para ser premiado pelas faltas, vai para ministro !!!!! Só aqui estas coisas acontecem. Primeira medida, destituir o responsável de CCB e meter lá um amigo maçon. Este é o maior amigo dos " tachos ",porque é deles que tem vivido....
  • Fernando Benevides
    07 abr, 2016 Lisboa 17:01
    Pois é... são todos umas virgens ofendidas...
  • Maria Mercês
    07 abr, 2016 Santarém 16:28
    Sr. João Soares ...................... viu o que arranjou ? agora descobrem-se "carecas " que andavam tapadas...... Para bom entender ....
  • maria
    07 abr, 2016 lisboa 16:12
    a má educação, prepotência deste individuo e da gente do partido socialista é espantosa
  • Maria Mercês
    07 abr, 2016 Santarém 16:03
    Mas afinal.... o que esperavam do Sr. Soares Jr.... ???? Trabalhito ??? Vamos lá a ser realistas. Nunca consegui ver este Sr. como Ministro de qualquer pasta, nem da dentífrica. E isto vem confirmar que ele está a praticar a Democracia no seu melhor. Necessitamos de pessoas responsáveis e que saibam estar para representar condignamente o nosso País.
  • maria
    07 abr, 2016 lisboa 15:58
    a má educação, prepotência deste individuo e da gente do partido socialista é espantosa
  • Inutilidades
    07 abr, 2016 Portimão 15:38
    O primeiro ministro, quando nomeou este indivíduo para ministro da cultura, devia ter tido uma noite, muito mail dormida...
  • Luis
    07 abr, 2016 Lisboa 15:36
    No PS gente muita agressiva. No PSD gente muito amiga do alheio. Está bonito está.
  • José Pereira
    07 abr, 2016 Costa de caparaica 15:06
    Claro que as palavras do ministro não demonstram o padrão do PS. Caso contrário, os actos do Duarte Lima demonstrariam o padrão do PSD. É assim!?