O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Costa: “Momento mais triste foi ver Passos a defender que Bruxelas chumbasse o orçamento”

22 fev, 2016 - 17:08

No debate sobre o OE2016, o primeiro-ministro afirmou que a direita está a tentar ganhar em Bruxelas aquilo que não conseguiu evitar no Parlamento.
A+ / A-
Costa: “Momento mais triste foi ver Passos a defender que Bruxelas chumbasse o orçamento”

O primeiro-ministro acusou esta segunda-feira Pedro Passos Coelho de ter defendido que a Comissão Europeia chumbasse o Orçamento do Estado (OE2016).

"Todas as noites acendem uma velinha a ver quando é que uma agência de 'rating' vem dizer que não pode ser, que este Governo não pode existir", criticou o primeiro-ministro no debate sobre o OE2016.

Ainda assim, "o momento mais triste" desde a apresentação do esboço orçamental a Bruxelas, considerou, "foi ver o líder do PSD no Parlamento Europeu levantar a sua voz, não para defender Portugal, não para defender as empresas portuguesas, não para defender os portugueses, mas para defender que a Comissão Europeia chumbasse o orçamento de Portugal".

"Quando ouvirmos o dr. Passos Coelho dizer outra vez, com a sua voz maviosa, dizer que pediu aos seus correligionários para não atacarem o governo português, nós devemos saber bem o que significa: que deu tiro de partida para a perseguição ao Governo português por uma única e exclusiva razão; que é Governo do PS e que conta com o apoio do PCP, do BE e do PEV como se a Europa não fosse uma Europa democrática onde cada eleito tem de ser respeitado e cada país soberanamente se autodetermina", afirmou.

O primeiro-ministro acusou a direita de tentar ganhar em Bruxelas aquilo que perdeu no Parlamento. Mas “isso não aconteceu”, concluiu.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.