O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

OE 2016. PAN confirma agravamento fiscal nos combustíveis, automóveis e banca

03 fev, 2016 - 10:19 • Paulo Ribeiro Pinto

Deputado do Partido Pessoas, Animais e Natureza recebeu garantias do ministro de que os compromissos vão ser cumpridos, tanto com os portugueses como com Bruxelas.
A+ / A-

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) confirmou, esta quarta-feira, que o Governo está a preparar o agravamento de impostos para compensar as exigências de Bruxelas. Em causa estarão cerca de 500 milhões de euros, que o executivo quer ir buscar aos combustíveis, automóveis e banca.

O partido foi o primeiro a ser recebido, durante a manhã, pelo ministro das Finanças, no Parlamento. À saída, o deputado André Silva disse que o ministro Mário Centeno vincou que, para atingir os valores de défice estrutural a que se propõe - e que ainda estarão a ser definidos a 100% com a Comissão Europeia -, irá procurar receitas junto desses "sectores mais lucrativos".

"[O ministro] Acaba por ir buscar essas receitas aos sectores mais lucrativos e não aos impostos sobre o rendimento e o trabalho das pessoas, e isso para nós é importante", sublinhou.

Na primeira versão do esboço de Orçamento, o Governo apresentou um aumento do preço da gasolina em cinco cêntimos e 4 cêntimos no gasóleo, um agravamento de 50% no imposto de selo sobre crédito ao consumo e um aumento do imposto sobre tabaco.

Mas o deputado André Silva afirmou ter recebido garantias do ministro Mário Centeno de que irá “dar cumprimento aos compromissos com Bruxelas”, mas também irá respeitar o acordado “com os portugueses e os outros partidos políticos [para além do PS] que sustentam o Governo”.

O ministro das Finanças recebe depois o partido ecologista “Os Verdes”, segue-se o Bloco de Esquerda, PSD, o CDS e o PCP.

As reuniões, onde também está presente o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, Pedro Nuno Santos, servem para apresentar as linhas gerais da proposta de Orçamento do Estado para 2016.

Estes encontros têm um carácter habitual em vésperas de aprovação do orçamento, sendo que a proposta de OE para 2016 deverá ser aprovada na quinta-feira em Conselho de Ministros e dará ao que tudo indica entrada na Assembleia da República na sexta-feira.



Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Alberto
    03 fev, 2016 Funchal 18:40
    Por acaso, um sector muito lucrativo é o dos combustíveis...é aquele que faz aumentar o preço dos bens alimentares; os tais que são "gastos" da mesma forma por ricos e pobres! E que tal se o Sr Deputado , antes de falar, ficasse calado?
  • Barbeiro
    03 fev, 2016 Braga 16:29
    Assim sim : Senhor Paulo Pinto, GERONIMO de Sousa mais Catarina Martins, juntos com António Costa; Mostrem à direita, como se governa, sem qualquer aumento de impostos . Se o aumento dos combustíveis não interfere no aumento de todos os bens, transportes, bens alimentares, em tudo! Assim é que é ajudar os mais necessitados. (Aí Costa Costa) e companhia
  • Eborense
    03 fev, 2016 Évora 13:58
    Só espero que o governo não volte atrás na redução do IVA para a restauração, porque isso iria reduzir o número de empregos em pelo menos 200 mil. 200 ou 300!
  • Alberto Martins
    03 fev, 2016 Lisboa 12:30
    É pá essa foi forte...JOÃO CARVALHO conte lá esses casos escandalosos...eu gostava de conhecer. "É evidente que eles têm de engordar os funcionários públicos à custa da miséria de quem realmente paga impostos, seja o sector privado. Cambada de ladrões. Cortem nas benesses da ADSE que são um escândalo. Eu pessoalmente conheço muitos desses escândalos."
  • alcino
    03 fev, 2016 amarante 12:17
    O governo e um banana . Não sabe o que tem e da a torto e direito e agora quem págs outra vez à fatura. O se pozinho. Costa vai para casa. Quem é que manda no governo. Diz porque eu nsó sei.
  • joao
    03 fev, 2016 lisboa 12:13
    Ahahaha não aumentam impostos sobre os rendimentos. Indirectamente aumentam e mais do que de forma directa provavelmente. Aumentam impostos em sectores essenciais. Ou seja igualdade para pagar. E desigualdade a receber. Cambada de cinicos comunistas.
  • Fernando Mendes
    03 fev, 2016 Ansião 12:13
    Ó André tu esqueceste-te que és o denfensor dos animais? Então ficando os combustíveis mais caros e aumentando o imposto automóvel vamos ter que recorrer novamente aos animais de trabalho... Precisa-se de transportar pessoas e mercadorias... Lá volta a velha carroça! Vê se não se aumenta também a ração e a palha... :D :D Fizeste um pacto com o diabo...
  • TOX
    03 fev, 2016 Lisboa 12:03
    Para quem berrava contra o aumento dos impostos...... E os tais ditos partidos de esquerda? Interessante a posição deles....Enfim
  • Tuga
    03 fev, 2016 Braga 11:45
    Subindo os combustíveis, (e já são os mais caros da europa) tudo sobe, a carne o pão os legumes os transportes...tudo...este governo já tinha pouca credibilidade, mas precisa de ir a votos o mais rapidamente possivel.
  • Bruno Vale
    03 fev, 2016 Torres vedras 11:32
    Voltamos ao mesmo