O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Recuperar casas para arrendar pode dar benefícios fiscais

12 jan, 2016 - 07:20

Governo pretende resolver o problema do arrendamento na classe média e, ao mesmo tempo, reabilitar o centro das cidades e criar emprego.
A+ / A-

O Governo quer dar benefícios fiscais a quem recuperar casas para arrendar por valores acessíveis à classe média. Segundo o “Diário Económico” desta terça-feira, o executivo de António Costa assume a reabilitação urbana e a dinamização do mercado de arrendamento como prioridade.

O objectivo é dar uma solução de arrendamento à classe média e, ao mesmo tempo, reabilitar o centro das cidades e criar emprego.

O próprio primeiro-ministro destacou, num encontro com o presidente da Câmara do Porto, na segunda-feira, a importância da reabilitação urbana para relançar a economia, ao referir que "pode e deve ser o motor da indústria de construção – tendo um enorme potencial na geração de emprego".

No programa do Governo está prevista a criação de um Fundo Nacional de Reabilitação do Edificado, com capitais e gestão pública, para alavancar o arrendamento de habitação acessível.

Esta terça-feira, várias associações de proprietários, de inquilinos, de profissionais de imobiliário e a Confederação de Comércio e Serviços reúnem-se para decidir uma posição comum no que se refere à reabilitação urbana e ao arrendamento.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Vasco
    12 jan, 2016 Santarém 22:07
    Se bem entendo o senhor Costa pretende fazer agora aquilo que nunca pensou fazer como presidente de câmara em Lisboa, não deixa de ser curioso! Pela minha parte sempre achei que essa deveria ser uma prioridade de qualquer autarca e governo, no entanto como se costuma dizer "gato escaldado da água fria tem medo" e portanto será aconselhável que a oferta não traga grandes dissabores como aumentos de IMI ou outros impostos acrescidos pois eles podem ser inventados a qualquer hora como por exemplo agora o caso do pagamento de 1 euro por noite para quem visitar a cidade de Lisboa.