O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

​A arte de transformar “o que ninguém quer” em produtos DOP

24 dez, 2015 - 09:39

Castanha de Marvão, maçã de Portalegre, cogumelos, tomate, pimentos ou bolotas, são todos produtos da Serra de São Mamede e com certificação DOP – Denominação de Origem Protegida, atribuída pela União Europeia.
A+ / A-
Trabalho Sem Fronteiras (23/12/2015)
Trabalho Sem Fronteiras (23/12/2015)

Nem todos são tão bonitos ou têm tamanhos apelativos, o que não quer dizer que sejam destruídos. Em vez disso, são transformados em produtos “gourmet” que fazem as delícias de portugueses (e cada vez mais estrangeiros).

A ideia foi de um grupo de jovens empreendedores alentejanos que há 4 anos decidiu meter mãos à obra e desenvolver um projecto que já é um caso de sucesso.

A jornalista Rosário Silva foi conhecer a Terrius, uma empresa que por estes dias não tem mãos a medir para os cabazes de natal.

Do Norte Alentejano para a Beira Interior, andamos duas centenas de quilómetros mas continuamos a encontrar maçãs: as famosas “bravo de esmolfe”. Mas também castanhas, os iogurtes e manteiga de ovelha entre outros. Todos produtos DOP.

Apesar dos custos e da burocracia que os processos de certificação europeia exigem, muitos são os produtores que fazem a aposta para apresentar produtos de qualidade aos consumidores e apreciadores, como comprovou Liliana Carona.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.