A+ / A-
​Conversas sobre Deus

Como João Taborda da Gama “saiu do armário” e entrou na Igreja

17 dez, 2015 - 23:21 • Eunice Lourenço

Começou pela leitura da Bíblia o processo de conversão do advogado e especialista em Direito Fiscal, que foi baptizado já adulto e foi o convidado de Maria João Avillez no último Conversas sobre Deus.
A+ / A-

Foi já na Faculdade de Direito, onde procurou e não encontrou a infalibilidade das leis, que João Taborda da Gama começou a ler a Bíblia, uma versão em inglês que tinha lá em casa. E por aí começou o processo conversão deste especialista em Direito Fiscal que também é comentador e que em Novembro fez parte do Governo por três semanas. Um processo de conversão que que demorou alguns anos, que o levou a encontrar o seu lugar na Igreja Católica e que contou no último Conversas sobre Deus, que teve lugar esta semana na Capela do Rato, em Lisboa.

Nascido em 1977, filho do socialista Jaime Gama, ex-ministro e ex-presidente da Assembleia da República, e da professora Alda Taborda, João tinha em casa uma “atitude neutra” em relação a Deus. Filho único, criado no Lumiar, tem “poucas lembranças de reflectir sobre a existência de Deus na infância e adolescência”. Como contou na conversa com Maria João Avillez, não foi baptizado em bebé, mas os pais ainda “fizeram alguns esforços” e um deles foi inscrevê-lo na catequese, de onde foi expulso com um primo por apresentarem uma versão pouco canónica da Avé Maria.

“Não me apareceu Jesus Cristo de cachecol do Sporting, nem uma luz ou um trovão”, gracejou na noite de quarta-feira. Aos 21, 22 anos começou a ler a Bíblia. “Aquilo que li, sobretudo no Novo Testamento - as parábolas e os desafios de Jesus - começou a fazer cada vez mais sentido”, contou João Taborda da Gama. Depois, começou a sentir necessidade de aprofundar o conhecimento cultural e histórico, começou a interessar-se pela pessoa histórica e política de Jesus.

“Às tantas, esse processo interior começou a ser racionalizado” e teve uma pessoa – “há sempre uma pessoa nestas histórias” – que o ajudou no caminho que, rapidamente, percebeu que o levaria à Igreja. “Muito cedo, no meu processo de conversão, percebi que não seria só um processo interno da minha relação com Deus. A dúvida era: ‘eu não conheço a Igreja, será que a Igreja tem lugar para mim’”, recordou, definindo o seu percurso como “muito sereno”.

Depois, começou “a ter necessidade de ir à missa, de ver mais”, mas ainda às escondidas. “A pessoa não percebe muito, está sempre com medo de ser apanhado”, contou João Taborda que, nesta fase, não contava aos amigos o que se estava a passar consigo. Mas, continuou: “Há um momento em que saio do armário e tenho de entrar na sala e na sala ninguém me conhece.” E ai descobre que a Igreja tem lugar para toda a gente e, portanto, também tem lugar para ele e “isso é uma ideia muito libertadora e revolucionária”.

Também libertador foi a aceitar que nem tudo é racionalizável. “A fase mais libertadora e de verdadeira conversão foi perceber que a racionalidade não vai explicar tudo e que essa não explicação não é obscurantista, mas é iluminadora e libertadora”, afirmou Taborda da Gama, que também contou que “Deus é esperto” e o deixou achar que tinha o domínio o processo até chegar o momento em que percebeu que não tinha e não se importou com isso.

“Sinto que fui ter com Ele, mas se acreditar em Deus que sabe tudo e vem ao nosso encontro foi ele que veio ter comigo”, disse o advogado que procurou no Direito a infalibilidade das leis, mas que, no momento em que percebeu a falibilidade da justiça humana, foi atraído pela ideia de “uma outra justiça”.

Em 2005 foi baptizado e encontrou na espiritualidade inaciana (de Santo Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus) o seu lugar de referência. Faz parte de uma CVX (comunidade de vida cristã), tenta “ver Deus em todas as cosias e todas as coisas em Deus” e que “ Deus seja algo do dia-a-dia”. E acha que o que Deus hoje lhe pede é “mais tranquilidade”: “Que me preocupe mais em como é que Ele me vai encontrar do que em como o vou encontrar.”


Veja também:

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • MariaHelena Carvalho
    06 fev, 2018 Porto 22:59
    Quando há um grupo de advogados que se juntam para defender o ser humano, seja qual for o tema, é encantador. Obrigada
  • Maria Lebre
    08 fev, 2016 Tomar 12:07
    É um luxo e um privilégio, viver neste momento no mundo, onde a capacidade do homem cria ferramentas, que permitem, que algo que aconteceu, num espaço e num tempo único, se possa tornar presente onde e quando se queira. Em que pessoas usando essas ferramentas, espalham "sementes" tão valiosas, como as que germinam na Capela do Rato, permitindo que vão crescer onde caírem, simplesmente... É quase uma experiência de "não espaço, não tempo"...de eternidade.... Vivo fora deLisboa, e passado quase 2 meses, acabo de ser presenteada com a conversa com o Paulo Gama, tão normal, tão sábia.....longe de mim,querer adjectivar o que alguém É, mas é a única ferramenta que possuo para lhe comunicar, que as "sementes" que lançou nesta conversa, chegaram.... são adequadas à terra em que caíram, e no que estiver ao meu alcance, vou regá-las e trata-las para que dêem muito fruto. Como Santo Inácio dizia rezar com se tudo dependesse de Deus; fazer como se tudo dependesse de nós! .Gostava de um dia conversar consigo, também sou uma "mãe compulsiva", temos 5 filhos, mas por nenhuma razão especial, pelo puro prazer de ser mãe, adoro...e ser avó também.
  • rosinda
    18 dez, 2015 palmela 00:30
    um dia destes ele disse que o pai tinha um carro que nascia cogumelos la dentro!Eu tenho impressao que cheguei a ver o velho dormir na assembleia da republica!