O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

​Álvaro Beleza propõe revisão constitucional para realizar legislativas no dia das presidenciais

27 out, 2015 - 01:53

Se o Governo de Passos Coelho for chumbado pela esquerda parlamentar e o Presidente da República recusar dar posse a António Costa, é preciso “dar voz ao povo”. Dirigente socialista defende presidenciais e legislativas no mesmo dia.
A+ / A-
Falar_Claro_Video1
Falar_Claro_Video1

O dirigente socialista Álvaro Beleza defende uma revisão constitucional que permita a realização de eleições presidenciais e legislativas antecipadas no mesmo dia, em 2016.

A proposta, avançada no programa “Falar Claro” da Renascença, pretende resolver um cenário em que o Governo de Passos Coelho é chumbado pela esquerda parlamentar e o Presidente da República recuse dar posse a António Costa.

Álvaro Beleza fala na possibilidade de um bloqueio tal que seja necessário alterar as regras da Constituição, para permitir a dissolução do Parlamento e eleições legislativas antes do tempo.

“Se o PS apresentar ao Presidente da República uma proposta de Governo sólida para uma legislatura, de coligação com os partidos à esquerda do PS e se o Presidente não aceitasse empossar esse Governo, eu acho que entramos aqui num problema de bloqueio e para bloqueio só há uma solução: É dar voz ao povo”, considera o dirigente socialista.

Para resolver este impasse, Beleza defende a realização de eleições presidenciais e legislativas “ao mesmo tempo”, no início do próximo ano. A Assembleia da República não pode ser dissolvida nos próximos seis meses, “mas pode haver uma revisão constitucional, se houver uma maioria de dois terços, para desbloquear isto”, propõe.

“Íamos a votos e haveria uma bipolarização, que até é saudável em Portugal, em que o PS poderia até apresentar-se em coligação com os partidos à esquerda e a direita apresentava-se coligada”, sugere Álvaro Beleza no debate com Nuno Morais Sarmento.

PS ganha as próximas eleições

Em declarações ao programa “Falar Claro” da Renascença, o dirigente socialista afirma que o partido de António Costa “está absolutamente convencido que ganhará essas eleições. Em Portugal tem havido sempre uma maioria de esquerda, é natural que ganhássemos essas eleições”.

A solução é rejeitada por Nuno Morais Sarmento. O antigo ministro da Presidência não vê sinais de qualquer bloqueio político a prazo.

“Esse cenário não existe, o cenário que obriga a uma revisão constitucional nesta altura, a qual pressupõe uma maioria de dois terços. Tivéssemos nós uma maioria de dois terços no arco constitucional, não estávamos aqui com esta conversa. Eu penso que não há bloqueio nenhum”, responde o militante do PSD.

Acordo à esquerda implica PCP e BE no Governo

Quanto ao acordo à esquerda, o dirigente nacional do PS exige a António Costa que seja para uma legislatura, e não apenas de incidência parlamentar, e que Bloco de Esquerda e PCP tenham representantes no Conselho de Ministros.

“Eu acho que um acordo sólido tem que ter todos dentro do Conselho de Ministros, porque senão pode acontecer aquilo que eu já alertei para os perigos deste entendimento, além de ser uma razão programática, porque eu acho que aquilo que nos diferencia do PCP e do Bloco é maior do que aquilo que nos diferencia do PSD. Mas, para além disso, eu acho que o risco aqui é ser o abraço do urso ao PS”, adverte um dos militantes mais próximos de António José Seguro.

Álvaro Beleza considera que, em caso de acordo à esquerda, a presença do PCP fora do Governo seria uma “casca de banana para o PS”.

Qual é a pressa?

O militante do PS, com assento na Comissão Politica do partido, mantém ainda que o líder socialista deve convocar um referendo aberto a militantes e simpatizantes para decidir sobre se este acordo – “um acordo contranatura, porque é com aqueles com quem nunca fez um entendimento”- deve ou não ir para a frente.

“Estamos sempre com pressa. Em Portugal temos o problema da pressa. Aquela frase do meu amigo Seguro, hoje, vale mais do que nunca: ‘Qual é a pressa?’, pergunta Álvaro Beleza no programa “Falar Claro”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Carlos Manuel Rodrig
    15 nov, 2015 Torres Novas 18:38
    Independentemente de tudo o resto, vou passar a transcrever, parte de um artigo, publicado no jornal O Riachense, pelo médico João moreira: João Moreira O RIACHENSE QUARTA, 21 OUTUBRO 2015 10:28 OPINIÃO E agora? De médico e de louco …Diz a imprensa que aquele que seria muito provavelmente o próximo ministro da Saúde de um governo PS, Álvaro Beleza, médico imunohematologista no Hospital de Santa Maria, ganha perto de vinte mil euros por mês por se escalar a si próprio como médico de prevenção quase todos os dias. Aparentemente não é ilegal, apesar ser pouco moral… Tudo isto enquanto defende publicamente que um médico do SNS deveria ser proibido de trabalhar em medicina privada. Talvez o colega Álvaro Beleza pense que ganhamos todos o mesmo que ele. Porque acredito nas palavras do Dr. João Moreira, nem sei o que dizer do Dr. álvaro Beleza.
  • António Cruz
    15 nov, 2015 Almada 04:39
    Que faz, ainda, este homem no PS ? Espetem-lhe nas unhas uma inscrição do PSD ou mesmo do CDS.
  • Jose campea
    14 nov, 2015 Vlia Real 21:44
    O Circo ainda não começou, só irá começar quando os PALHAÇOS estiverem unidos no PARLAMENTO,mas com um bolinha vermelha na ponta do NARIZ.
  • Rui
    27 out, 2015 Viseu 13:02
    Grande Álvaro! Proponho outra medida ainda mais radical. Se nessas eleições antecipadas, a direita perder novamente, dissolve-se novamente a Assembleia da República e convocam-se outras para o Domingo de Páscoa, dia em que concerteza o Espírito Santo iluminará no bom sentido os portugueses.
  • 27 out, 2015 12:14
    A maioria do povo não votou na ideologia da esquerda, mas na ideologia da direita, na continuidade do que se está a fazer. Se a democracia fosse para valer, no lugar de tanta desonestidade, perante uma situação em que os vencedores não pudessem governar (a coligação até esteve próximo da maioria absoluta), seria, e sem precisar de intervenção de ninguém, uma segunda consulta ao povo. Como se pode admitir que vá para o governo quem não teve o voto do povo? Isso não é democracia.
  • José Proença
    27 out, 2015 Castelo Branco 10:41
    Esta ideia é completamente absurda. Não faz qualquer sentido. Discordo em absoluto. Penso é que o Sr Álvaro Beleza está no partido errado. Mude de partido Sr Álvaro Beleza. Todas as suas opiniões e conceitos nada têm a ver com o Partido Socialista nem com os princípios emanados dos estatutos nem com o programa do partido. Pena é que as opiniões aqui reflectidas não cheguem ao conhecimento do visado.