|
A+ / A-

Assis reafirma oposição a acordo com "a extrema-esquerda"

22 out, 2015 - 11:33

As "soluções" preconizadas por PCP e BE terão como "inevitável consequência a albanização" de Portugal, defende o eurodeputado socialista na sua coluna de opinião no diário "Público".

A+ / A-

O eurodeputado socialista Francisco Assis reafirma a sua oposição a um acordo de Governo do PS com PCP e BE, na sua habitual coluna de opinião, no jornal "Público".

“Sou frontal e absolutamente contra a ideia de constituição de um qualquer Governo assente numa hipotética maioria de esquerda", escreve Assis no texto desta quimta-feira.

"O PS devia assumir em toda a plenitude o estatuto de principal partido da oposição, impondo sérias limitações à acção do Governo e não desvalorizando as convergências possíveis com os partidos situados à sua esquerda", afirma Assis, acrescentando que essa seria a "solução que melhor serve o interesse nacional e aquela que verdadeiramente se inscreve na história do PS".

Assis lembra que "a extrema-esquerda" é defensora de "soluções" que terão como "inevitável consequência a albanização" de Portugal e que um acordo do PS com essas forças seria uma forma do PS renunciar à sua dimensão “de partido transformador e reformista".

"Insistirão os mais fanáticos defensores de uma frente de esquerda que há vantagens em ignorar todas as divergências [entre PS, BE e PCP], em nome da possibilidade do afastamento da direita do poder", assinala o eurodeputado socialista, para concluir que este “argumento mereceria reflexão se não configurasse uma despudorada expressão de ambição desmedida pelo exercício do poder".

“Um acordo de ocasião nada de novo e verdadeiramente relevante pode trazer ao país", remata Assis.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • luis Costa
    05 nov, 2015 Lisboa 11:14
    Assis reafirma oposição a acordo com "a extrema-esquerda" ?? se para este senhor a "a extrema-esquerda" está a esquerda do PS então "a extrema-direita" deve ser o que está á direita do PDS ..... tenha coragem e mude de vez para o PSD .....
  • Ao Paulo Silva
    22 out, 2015 Pt 19:05
    Da parte da esquerda todos os comentarios merecem respeito...desde que não sejam ataques de caracter, intrigas e insinuações...
  • Paulo Silva
    22 out, 2015 Faro 14:45
    Para já nunca pensei que um comentário meu pudesse ser objecto de tanta importância ao qual eu retribuo com a mesma singularidade ao sujeito " ao Paulo Silva" que teve tanto impacto na sua conjuntura política e pessoal , contudo penso que nenhum português que tenha bom senso e uma visão esclarecedora da panorama política em Portugal tenha uma opinião da qual toda a classe política esta desde a muito tempo doentia e podre .
  • Ai, ai!
    22 out, 2015 st 14:29
    Como é que ele, Assis, agora se vai desenvencilhar de fazer os elogios ao provocador do Paulo Rangel!?...As teses que Assis defende, já não estão adequadas à nova realidade no espectro partidário português! Com os partidos à esquerda do PS a deixarem de ser apenas a contestação pela contestação, como vinham a fazer, e a comprometerem-se com a politica da governação, seja em governos ou apenas em compromissos parlamentares, aquelas teses deixam de fazer sentido! E isso Assis não imaginava que fosse possível e pretende teimar nessas teses, não sendo capaz de alterar o raciocínio no sentido de as adequar às novas realidades! A teimosia nunca foi boa conselheira e sempre pensei que Assis fosse capaz de rever posições! Vamos ver qual irá ser o seu comportamento, mas esperemos mais inteligência e menos teimosia! Será que quer ficar sequestrado pela direita?...
  • ao Paulo Silva
    22 out, 2015 pt 13:16
    não é o fim dele, como esta direita radical, nos quer fazer crer, atacando o caracter de António Costa! É o fim do PS, como o foi, o do Pasok, na Grecia! Neste momento, o PS só tem de ser o que sempre disse! Um partido de esquerda democratica e não fazer o frete a uma direita radical que apesar de ter ganho as eleições, perdeu 700 mil votos, 25 deputados e a maioria necessaria parlamentar, para poder formar governo estável! Aliás, como fez o frete, durante anos na Grecia, à direita grega, o Pasok! Neste momento histórico, o PS se não fizer compromissos com os partidos à sua esquerda, nunca mais poderá dizer que é um partido de esquerda e que aqueles partidos não pretendem ter responsabilidades governativas, e em proximas eleições, perderá muitos milhares de votos dos eleitores de esquerda! Essa questão dos partidos do "arco da governação", acabou, irá deixar de existir! A direita, neste momento, está mais do que "arrumada"! E fê-lo, quando optou por fazer esta coligação!...obrigando os eleitores de esquerda a "radicalizarem-se"! Aliás, como aconteceu na Grecia, com maior evidencia!
  • Ele é frontal
    22 out, 2015 port 13:00
    Eu também! Ó Assis, "porque não te calas"?...Defende isso, em sede propria e em tempos que não sejam de compromissos, necessarios para o país e para os portugueses que elegeram os deputados e não para alguns interesses pessoais!...
  • Paulo Silva
    22 out, 2015 Faro 12:34
    Este assunto que tem ensombrado a política em Portugal é pessoal porque António Costa sabe muito bem para todos dos seus pecados que se não coligar a partidos que podem ter maioria absoluta no parlamento é o seu fim como político e nada mais.Quem não quiser compreender isto é não querer ver a realidade,porque desde que a política se tornou num negócio obscuro em toda a sua linha temos visto esta classe política nos índices mais baixos desde que esta democracia podre tem governado Portugal.Isto sem qualquer excepção para todos aqueles que governaram sem pudor nenhum atraindo para si lucros e benefícios desde a direita como a esquerda,esta classe política esta podre e nenhum português se pode rever neste políticos.Eu pessoalmente não tenho qualquer tipo de preconceitos sobre qual seja o tema, mas concretamente a este é mais do mesmo porque são todos iguais,só muda as cores e algumas pessoas.
  • Teodoro
    22 out, 2015 12:30
    Assis: Por qué no te callas ??????Já chega de protagonismo pessoal, irra !!!!!!!!!
  • Este
    22 out, 2015 pt 12:26
    o que pretende é que o PS se tranforme num Pasok!...Coloca a questão da albanização, mas não coloca a questão de saber as razões porque está o actual Pasok na Grecia, por ter andado a governar e a dar apoio sistematicamente à direita grega! Querem ver que aceita o que a direita nos anda a impingir? Enfim, azimutes só numa direcção!
  • Leba
    22 out, 2015 Vila Flor 12:24
    Este gosta de se pôr em bicos dos pés.POr causa disso levou nas ventas em Paços de Ferreira. o que ele quer é publicidade.