|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Trás-os-Montes. Aquecimento global obriga a transformações na agricultura

15 out, 2015 - 12:16 • Olímpia Mairos

O castanheiro já está a ser plantado a 900 metros de altitude. É um grande indicador de que as coisas estão a mudar, com as temperaturas a subir e a precipitação média anual a descer.

A+ / A-

Para contornar os efeitos do aquecimento global na zona da Terra Fria Transmontana, as plantações de castanheiros em Bragança e Vinhais estão a ser feitas a 900 metros de altitude.

O presidente da ARBOREA - Associação Florestal da Terra Fria Transmontana, Abel Pereira, atribui as transformações que estão a acontecer na agricultura transmontana ao aquecimento global e às alterações climáticas das últimas décadas, de que o castanheiro é um testemunho natural.

“As alterações climáticas estão a afectar a produção e estão a fazer com que nós tenhamos castanheiros já a 900 metros de altitude, o que provavelmente há 40 anos era impossível”, afirma Abel Pereira, lembrando que, nessa altura, “acima dos 800 metros não havia castanheiro” e que “hoje há castanheiros a 900 metros”.

“O castanheiro é um grande indicador de que as coisas estão a mudar, com as temperaturas a subir e a precipitação média anual a descer”, nota o dirigente associativo.

Os dados estatísticos indicam que há 20 anos o distrito de Bragança tinha 900 milímetros de precipitação anual e hoje tem 700.

Face a estas alterações, Abel Pereira vaticina: “Onde temos castanheiro, provavelmente daqui a 40 anos teremos oliveiras”. Refere-se à cultura associada à Terra Fria Transmontana (o castanheiro) e à oliveira típica da Terra Quente, mais a sul do distrito de Bragança.

A menor precipitação leva também a “uma descida muito grande a nível de humidade dos solos”, o que implica a necessidade de regar culturas como o castanheiro, tipicamente de sequeiro.

As alterações estão a preocupar os produtores e os responsáveis por esta cultura até porque a castanha é actualmente o produto agrícola mais rentável.

O concelho de Vinhais é o maior produtor nacional de castanha, com uma produção média anual de 15 mil toneladas, que movimentam 25 milhões de euros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • daniel guerra merenc
    11 out, 2016 porrais 17:00
    a agua e um bem que esta afetar o planeta, devemos de ser menos consumidores, na aria das materias que criao o cº2 e debrocarnos sobre a defesa dos seres vivos,plantas e animais,comecarmos a criar costumes e implementar alicesios em todas as arias, sobretudo um pais que esta no sul da europa como portugal.utilizarmos a agua do mar e resiclala ,para regadio,nas rejioes mais procimas do litoral,opetar por producao de estufas em vidro e fazer concorencia os paises baixos.etc sermos mais consientes,e darmos mais valor o que,antes desperdicavamos.