A+ / A-

Quem é Maria de Belém, candidata a Presidente?

13 out, 2015 - 17:48

Católica, Maria de Belém Roseira Martins Coelho Henriques de Pina nasceu há 66 anos e já desempenhou vários cargos.

A+ / A-

A ex-presidente do PS e antiga ministra da Saúde Maria de Belém Roseira, 66 anos, apresenta na terça-feira, em Lisboa, a partir das 18h00, a candidatura à Presidência da República.

A presidente do PS (2011-2014) durante a liderança de António José Seguro, sucedendo ao histórico Almeida Santos no congresso segurista de Setembro de 2011, em Braga, conta com o apoio de outro “peso pesado” socialista, o poeta Manuel Alegre, de cuja candidatura presidencial foi mandatária nacional, há cinco anos.

Enquanto presidente do PS teve um papel muito contestado pelos costistas em 2014, depois de António Costa ter decidido candidatar-se a secretário-geral do PS.

Travou primeiro a discussão em Comissão Nacional do PS de uma proposta de António Costa para que se realizasse logo um congresso extraordinário do PS, alegando que o tema não constava na ordem de trabalhos. Depois, invocou um parecer da Comissão Nacional de Jurisdição do PS para considerar contra os estatutos a marcação desse congresso extraordinário para a liderança do partido.

Católica, Maria de Belém Roseira Martins Coelho Henriques de Pina nasceu há 66 anos (28 Julho de 1949), no Porto. É casada e tem uma filha. Tem dois irmãos e duas irmãs.

Ministra da Saúde e da Igualdade em governos de António Guterres (1995-2000), a jurista e auditora da Defesa Nacional foi incentivada pelo movimento Portugal Melhor, do qual fazem parte o reitor do ISCTE Luís Reto, o médico Joshua Ruah, a farmacêutica Ana Paula Martins e a médica Maria do Céu Santo, entre outros, a apresentar-se como candidata a Belém.

O seu nome foi lançado para uma candidatura a Presidente da República numa reunião da Comissão Política do PS pela eurodeputada socialista Ana Gomes e foi apoiada pelos seguristas.

O elogio a Pintasilgo

Licenciada em Direito, em Coimbra, no ano de 1972, Maria de Belém começou a carreira na então Direcção-Geral da Providência, como técnica jurista no então Ministério das Corporações e Previdência Social, nos tempos de Marcello Caetano.

Em democracia, a seguir ao 25 de Abril de 1974, Belém trabalhou com Maria de Lurdes Pintasilgo, na altura secretária de Estado da Segurança Social. “Foi um privilégio ter trabalhado com ela. Mostrou-nos a importância de construir uma sociedade mais justa, mais igualitária”, contou, em 2010, numa entrevista de vida à jornalista Anabela Mota Ribeiro, publicada no “Jornal de Negócios”.

Chegou a chefe de gabinete do ministro da Saúde em 1984 e foi depois administradora da Teledifusão de Macau, a partir de 1986 – é identificada como sendo do denominado "grupo de Macau" do PS, do qual fazem parte, entre outros, António Vitorino ou Jorge Coelho.

De regresso a Lisboa, desempenhou o cargo de vice-provedora da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, entre 1988 a 1992, e foi administradora-delegada do Centro Regional de Lisboa do Instituto Português de Oncologia até 1995, data do convite do primeiro-ministro António Guterres para o XIII executivo constitucional.

Condecorada por Sampaio

Como parlamentar, eleita pela primeira vez em 1999, pelo círculo do Porto, foi vice-presidente da bancada "rosa" em várias legislaturas e participou em várias comissões, tendo presidido aos trabalhos dos deputados relacionados com a Saúde, na X Legislatura, altura em que foi foco de polémica por acumular as funções com a consultoria para o Grupo Espírito Santo.

Outra polémica em que se viu envolvida foi a da construção da sua casa, alegadamente contra directrizes municipais, junto a uma das praias da Linha de Sintra.

A militante socialista foi ainda presidente da Assembleia Geral da Organização Mundial de Saúde, em 1999, e liderou anos depois, já com José Sócrates como primeiro-ministro, a comissão parlamentar de inquérito "sobre a situação que levou à nacionalização do Banco Português de Negócios e sobre a supervisão bancária inerente".

Foi fundadora da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, da Liga dos Amigos do Hospital de S. Francisco Xavier, da Associação Reintegrar, da Associação de Psicogerontologia, entre outras actividades e funções como membro da Representação Portuguesa na Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa e da União da Europa Ocidental.

Maria de Belém foi condecorada com a Grã-Cruz da Ordem de Cristo pelo então Presidente da República e antigo secretário-geral socialista Jorge Sampaio, em 2005.

Em 2012, publicou o livro "Mulheres Livres", com cerca de uma dezena de biografias de escritoras, políticas, filósofas e artistas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Paulo Lemos Costa
    20 jan, 2016 Leça da Palmeira 10:32
    Exma Senhora Candidata Após a notícia da sua participação no recurso para o T.C. sobre as subvenções vitalícias atribuídas aos deputados, quanto a mim imorais e sem qualquer fundamento, todos ficamos a saber, que ao contrário do que vem apregoando, a sua candidatura nada tem a ver com imperativos de consciência política, ou vontade de prestação de um serviço público, mas simplesmente com a vontade de se servir na tentativa de ver aumentados os seus rendimentos. É, portanto uma candidatura eivada de imoralidade e, por isso, os portugueses, espero, entre si e Tino de Rans preferirão este, por mais sério e honesto que Va. Exa.
  • Luzia Silva
    17 jan, 2016 Évora 19:48
    Sem dúvida alguma, acho que estamos novamente na altura de eleger uma mulher para tão grande cargo.Estou ciente que é capaz de governar tão bem, ou melhor, que alguém do sexo masculino.Dotada de grandes conhecimentos,valores humanos excelentes que lhe dão a dignidade de tão alto cargo.Uma grande Senhora com inteligência e sabedoria para enfrentar esta luta,que nunca é fácil,seja homem ou mulher.Eu dou o meu voto a Maria de Belém,congratulando-me que seja a vencedora destas eleições.
  • antoninopantunes@sap
    11 jan, 2016 10:23
    GRANDE MULHER VAMOS BENCER
  • João Barros Santos
    07 dez, 2015 Porto 00:03
    E o meu apoio tambem
  • rosa santos
    03 dez, 2015 belas 14:42
    Esta candidata acha que nenhum outro tem perfil. A ela falta altura. Ficamos cientes do que já sabiamos. isto de ser elegivel tem que ver com o tempo de tarimba, ou seja a tal fila onde eles já estão em jejum há muito tempo. O curriculum também é extenso mas como é modesta, estava a esquecer-se da actividade no BES. tadinha , tão modesta. Mais se confirma que estes politiqueiros são tão preparados que abraçam qualquer pasta. Advogados vão para a Saúde. mas se for preciso também estão preparados para as pescas. Isto porque na matéria da justiça sabem pouco. O essencial para se safarem
  • Joaquim Marvão
    01 dez, 2015 Mem Martins, Sintra 14:27
    Pode contar com o meu apoio à sua candidatura presidencial. Atentamente; Joaquim Marvão P.P.: Indicar sede para preencher formulário de apoio à candidatura (Subscritor)
  • António Pena
    25 nov, 2015 Paço de Arcos 23:01
    Como disse no comentário de 14 de outubro, "Muita força, continuação da coerência habitual, humildade e atenção ao pormenor em tudo que envolve a candidatura, são os meus votos nesta hora de esperança em dias melhores para Portugal.". O pormenor é atualmente da maior importância, sendo relevante dar sempre a direita à Bandeira Nacional e a outras quando se fala isoladamente ou quando se está em mesa, ou seja, o conjunto das bandeiras deve ficar sempre à direita de quem fala ou dirige a cerimónia. Outro aspeto tem a ver com os cartazes cuidando de enquadrar o corpo para não haver "cortes", em especial são frequentes na cabeça. O cartaz que observei hoje na marginal, curva dos pinheiros entre Paço de Arcos e Caxias está bem enquadrado e muito bem em termos da mensagem se fixar à direita da candidata, mas em termos das titulagens ficava melhor com as três linhas primeira "Belém" como está (embora preferisse sempre Maria de Belém Roseira; segunda "a força do" aqui considero que o do devia passar para a terceira, ficando segunda "a força" e a terceira "do carácter. O trabalho tem de continuar, mas para a Dra Maria de Belém Roseira se enquadrar na mudança que está a decorrer em Portugal com a profunda alteração da liderança política em curso será "cereja no bolo" uma mulher Presidente da República.
  • manuel bandeira
    17 out, 2015 lisboa 19:25
    Trabalhei com a Dra.Maria Belém em Macau na TDM,andei com a Maria Helena ao colo,tenho saudades dela em bebé, muitas felicidades.
  • António Pena
    14 out, 2015 Paço de Arcos 16:10
    Ontem estive na Sala Sophia de Mello Breyner, no Centro Cultural de Belém. A candidata, acompanhada do marido, chegou à hora (18h00), fez uma intervenção de 25 minutos, a sessão terminou com o Hino Nacional, ficando "muito mundo" para cumprimentos de boas-vindas. Gostando desde longa data de escutar em direto este tipo de comunicações confesso que me agradou muito o discurso da licenciada em Direito pela Universidade de Coimbra, Maria de Belém Roseira, posso mesmo dizer não recordar nada melhor. Tudo certo havendo até mais palmas, e toda a sala de pé, na referência que fez às Forças Armadas Portuguesas (passagem quanto a mim de excelência) que, curiosamente, não observei nos destaques das peças publicadas hoje nos dois jornais que estudo, em papel, diariamente. Quando em Portugal, na União Europeia e no mundo em geral se procuram soluções para "promover o bem-estar e reduzir a pobreza", foi muito agradável ouvir referências a Sua Santidade o Papa Francisco e ao "Prémio Nobel" de Economia de 1988 Professor Amartya Sen (por certo a preparação das palavras que proferiu não lhe permitiram ligar àqueles dois sábios de Ciências Humanas o "Prémio Nobel" de Economia de 2015, anunciado na última segunda-feira, Professor Angus Deaton). Muita força, continuação da coerência habitual, humildade e atenção ao pormenor em tudo que envolve a candidatura, são os meus votos nesta hora de esperança em dias melhores para Portugal.
  • VASCO SOUSA PEDRO BR
    13 out, 2015 VIA NOVA DEGAIA 23:29
    Conheci a srª Drº Maria de Belém, em Fátima, por ocasião, duma acção de formação que teve lugar em Fátima, no Anfiteatro Paulo VI. Gostei então muito da srª Dra Maria de Belém pela clareza e justeza com que a mesma então abordou os temas da educação que, então lhe foram postos e das conclusões que a mesma, a eles chegou. Revelou sempre muito inteligência e bagagem cultural como os tratou. Não posso dizer que fosse, com uma certa surpresa que a vejo, agora, candidata à Presidência da República, pois penso que seria óptimo que a srª Drº Maria Belém, fosse eleita pois além de prestigiar o cargo pela insigne figura que é, é-o também, pela primeira vez, numa figura de mulher/mãe e esposa, a ocupar tal cargo. Parece-me que o seu "curriculum" , é-o, por natureza, de invejar. Um coisa é certa, não lhe faltam paradigmas e qualidades humanas e humanísticas para, em caso de vir a ser eleita, ter ou vir a ter uma enorme projecção no "fórum" europeu. Infelizmente, em Portugal, as pessoas não se podem ou devem avaliar __ por aquilo que elas parecem ser mas sim por aquilo que elas são ou são- no na realidade, ou seja, não se devem julgar as pessoas pelo facto das mesmas passarem despercebidas, quando elas, na verdade, são ou foram-no muito mais, pelos cargos que desempenharam. Tal ´ou foi o caso da Doutora Maria de Belém. Por tudo isto, pela sua biografia e pelo capital de experiência acumulada e pela inteligência que revela, por se ter formado em Coimbra, o meu voto, vai para ela.