A+ / A-

Nova lei dos direitos de autor na Internet aprovada pelo Parlamento Europeu

12 set, 2018 - 12:17

Os eurodeputados aprovaram os polémicos artigos da “taxa dos links” e dos “filtros de upload”.
A+ / A-

Veja também:


O Parlamento Europeu aprovou esta quarta-feira a reforma às regras dos direitos de autor na Internet. Durante a a sessão desta manhã, os eurodeputados aprovaram versões alteradas das disposições mais controversas, como os artigos 11 e 13, que ficaram conhecidos, respectivamente, como os artigos da “taxa dos links” e dos “filtros de upload”.

A lei impõe restrições à publicação de conteúdos protegidos pelos direitos de autor em plataformas online. O artigo 11 obrigará assim plataformas como o Google News a pagar às empresas que produzem o conteúdo noticioso.

Por sua vez, o Artigo 13 exige que plataformas como o Google, o Facebook e o Youtube verifiquem o material que os seus utilizadores colocam nestas plataformas antes deste ser público para que não circule material protegido por direitos de autor. O objetivo da Comissão Europeia é que estas grandes plataformas dividam as receitas de forma mais justa com as indústrias criativas da Europa.

No final da votação, o eurodeputado Axel Voss, que liderou o grupo de proponentes desta legislação, agradeceu aos seus colegas pelo trabalho que realizado: “Este é um bom sinal para as indústrias criativas. Europa ”, disse Voss.

Julia Reda, do Partido Pirata, descreveram o resultado como "catastrófico".

Também em reação a esta aprovação, o presidente do Parlamento Europeu disse aos jornalistas em Estrasburgo que a nova lei favorece a democracia e coloca as grandes multinacionais no mesmo patamar do cidadão comum em termos de direitos.

"As regras não são contra a democracia são a favor da democracia, são a favor da liberdade. Porque é que o Facebook ou o Google não devem respeitar as regras? Se alguém diz alguma coisa que é falsa tem de pagar, o jornalista paga, paga o diretor e paga o editor. Se eu digo uma coisa falsa num post no Facebook ninguém paga. A primeira lição que se tira nas redações quando começamos é que temos de verificar a fonte da notícia. Publicar uma notícia infundada significa criar um dano à democracia", referiu António Tajani.

Apesar da aprovação no Parlamento Europeu, a história desta diretiva está longe de chegar ao fim. A legislação aprovada ainda enfrentará uma votação final no Parlamento Europeu em janeiro (onde é possível, embora seja muito improvável, que seja rejeitada). Depois disso, caberá a cada um dos estados membros colocar esta diretiva.

Em julho, a maioria dos eurodeputados rejeitou a abordagem difícil proposta por um comité encarregado pelo Parlamento de examinar a questão. Os artigos agora votados são versões alteradas dessa primeira proposta.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Filipe
    12 set, 2018 évora 13:10
    Gostava de saber quanto paga de impostos aqueles famosos e outros menos famosos que quando cantam parecem estar a vomitar de Portugal pelos concertos seguidos que fazem e aqueles que veem de fora aos concertos com honorários de luxo . Ainda querem mais mamar ...
  • 12 set, 2018 13:08
    Plularismo isso mesmo!