A+ / A-

Polícia “salva” alemão que estava a ser perseguido por um esquilo bebé

11 ago, 2018 - 12:48

Quando chegaram ao local, os agentes não tiveram muita dificuldade em resolver a situação – o esquilo, agora batizado como Karl-Friedrich, adormeceu profundamente após a perseguição.
A+ / A-

Um homem ligou para a polícia na cidade de Karlsruhe, na Alemanha, alegando que precisava de ajuda porque estava a ser perseguido na rua por um esquilo bebé.

Uma patrulha foi enviada para o local, uma vez que o homem dizia não conseguir livrar-se do animal.

No entanto, quando os agentes foram enviados para o local, não tiveram muita dificuldade em resolver a situação – o esquilo acabou por parar de correr e adormeceu abruptamente.

“O esquilo adormeceu devido ao horror”, brincou a polícia no relatório do incidente.

A porta-voz da polícia daquela cidade disse ao The Guardian que os esquilos bebés podem seguir uma pessoa caso tenham perdido a mãe, estejam à procura de comida ou precisem de ajuda.

“Acontece frequentemente que esquilos que tenham pedido a mãe procurem uma nova casa e foquem os seus esforços numa pessoa”, disse Christina Krenz, porta-voz da polícia.

Nesta situação, os animais podem ser “muito persistentes, não só a correr atrás de alguém mas totalmente fixados nessa pessoa. Pode ser muito assustador”, explicou a agente.

No entanto, os polícias no local pareciam mais divertidos do que preocupados. Acabaram por recolher e batizar o esquilo com o nome Karl-Friedrich, que se tornou a mascote do departamento.

Mais tarde, o animal foi levado para um centro de acolhimento de animais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.