O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

​Caso "provável" de sarampo na Madeira

08 ago, 2018 - 14:44

Mulher com 45 anos não estava vacinada. Apresenta um quadro estável.
A+ / A-

O Serviço Regional de Saúde da Madeira informou esta quarta-feira ter sido notificado um "caso provável" de sarampo, de uma cidadã do Reino Unido que está internada no hospital do Funchal com um "quadro clínico estável".

O Instituto de Administração da Saúde refere em comunicado que o caso foi notificado hoje, tratando-se de uma mulher com 45 anos que não estava vacinada.

"Este é um caso importado que se encontra em investigação, não havendo ainda confirmação laboratorial pelo Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge, pode ler-se no mesmo documento.

A mesma informação adianta que o Serviço de Saúde da Madeira (SESARAM), "em articulação com as autoridades de saúde, está a implementar os procedimentos necessários, de acordo com as normativas em vigor" e que "todos os profissionais de saúde em contacto com a doente estão a ser acompanhados, designadamente a vacinação".

A secretaria da Saúde lembra que "o sarampo é uma doença contagiosa, podendo provocar doença grave, principalmente em indivíduos não vacinados".

A cobertura vacinal do sarampo na Madeira é de entre 97% e 99% nas idades de referência.

Tendo em conta que se têm verificado surtos de sarampo em alguns países europeus devido à existência de comunidades não vacinadas, o SESARAM reforça que a "vacinação é a principal medida de prevenção", sendo gratuita e administrada em todos os centros de saúde da região.

A mesma nota refere que a vacinação é recomendada para crianças (aos 12 meses e aos 5 anos) e para os adultos nascidos a partir de 1970, sem história credível de sarampo e que em caso de dúvida, os utentes devem contactar o seu centro de saúde e/ou o seu médico assistente.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.