O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Esgotadas. Juventus não tem mais camisolas de CR7

06 ago, 2018 - 07:31

"Stock" previsto para o ano todo voou em três semanas.
A+ / A-

Está tudo esgotado: os bilhetes para o amigável da Juventus com o Villar Perosa, os ingressos para a primeira partida no campeonato e até as camisolas nas lojas oficiais do clube. A “Ronaldomania”, como descrevem os italianos, não dá sinais de abrandar em Turim.

Em apenas três semanas, 55 mil exemplares da camisola número 7 do clube voaram das lojas. O "stock" deveria durar a época inteira, mas nem chegou para o primeiro mês.

Neste momento é quase impossível encontrar uma camisola oficial de CR7, a menos que se desista da versão mais aproximada das que usam os jogadores (e custava 140€) e opte por outra, com um tecido e outros detalhes diferentes e ligeiramente mais barata (90€). Mas mesmo dessas restam poucas peças, avança o jornal italiano Tuttosport.

Na altura em que a Juventus fez a encomenda das camisolas à marca alemã que as fabrica, há cerca de um ano, estava longe de se imaginar a contratação de Cristiano Ronaldo. Daí que a encomenda tenha sido feita tendo em conta as vendas da época 2016/17 (41 mil) e prevendo um crescimento de cerca de 10% a 15% nas vendas desta época.

O Tuttosport fez as contas e estima que as receitas das vendas podem ascender aos 6,5 milhões de euros e prevê que cresçam até aos 55 a 65 milhões de euros no final da época. A verba será dividida entre vários intervenientes no negócio, nomeadamente a Juve, o fabricante das camisolas, os gestores, entre outros.

As novas camisolas devem demorar cerca de dois meses a chegar, ou seja, os fãs que ainda não compraram a t-shirt oficial de CR7 já não vão a tempo de conseguir uma antes do início da nova época.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.