O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Fenprof anuncia greve no início das aulas e na primeira semana de outubro

13 jul, 2018 - 14:52

Mário Nogueira deixa ainda um aviso: governantes da Educação ou o primeiro-ministro poderão ser confrontados em locais públicos durante as férias.
A+ / A-

O dirigente sindical da Federação Nacional dos Professores (Fenprof) anunciou esta sexta-feira que “os professores farão greve na primeira semana de outubro” e o primeiro dia de aulas “será sinalizado com luta e realização de plenários”.

“Temos de voltar em setembro com a força toda que temos usado até agora. Vamos começar no primeiro dia de aulas e tudo faremos para que não haja aulas ao abrigo da lei sindical, não com greve, não com mais esforço financeiro, [mas] com plenários e reuniões no país inteiro, com a distribuição de um texto à população”, anunciou Mário Nogueira perante umas dezenas de manifestantes.

Uma luta que continuará, avisou o sindicalista, na semana do 05 de outubro, Dia Mundial do Professor, “com uma semana de greve de segunda a quinta, porque sexta-feira é feriado” ainda que o “modelo da greve ainda não esteja definido”.

“Não estivemos ainda a ver se será greve de quatro dias para todos, ou se será outro modelo, mas essa é a semana decisiva na negociação entre os partidos e o Orçamento de Estado para 2019, porque aí tem de estar a verba para o primeiro momento da recuperação do tempo de serviço”, avisou.

Mário Nogueira discursava numa manifestação agendada para aguardar a chegada da secretária de Estado Adjunta e da Educação ao município de São Pedro do Sul, para assinatura de um protocolo.

Alexandra Leitão antecipou, no entanto, a sua presença, ato que o sindicalista considerou como “covarde”.

“Pena é que tenhamos governantes que, como vemos hoje, têm nos genes a covardia política”, afirmou Mário Nogueira, lamentando que a secretária de Estado não tenha dito aos presentes se se comprometia ou não com os professores a resolver o problema, assumiu.

Mário Nogueira avisou, no entanto, que os governantes da Educação ou o primeiro-ministro poderão ser confrontados durante o “mês de julho, ou de agosto, que são meses de férias” em sítios públicos.

O autarca, Vítor Figueiredo, justificou a antecipação da assinatura do protocolo em hora e meia, referindo que a secretária de Estado tinha de estar às 12:30 em Lisboa para uma conferência do grupo parlamentar.

O protocolo visa uma intervenção no valor de 1,1 milhões de euros na Escola Secundária de São Pedro do Sul.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • EMANUEL SILVA
    13 jul, 2018 Porto 18:28
    Estes Senhores fazem o que querem como querem e ainda lhes sobra tempo quando estão ao serviço do Estado Português. Não conhecem o Patrão!! No ensino privado têm que dar corda aos sapatos senão….rua!!
  • António dos Santos
    13 jul, 2018 16:08
    Quando é que este CHULO do país, para de abrir a boca suja. Vá trabalhar e não ser um langão da sociedade.