A+ / A-

Trump faz as pazes com Theresa May e chama à sua própria entrevista “fake news”

13 jul, 2018 - 14:41

O jornal “The Sun” atribui a Trump afirmações muito críticas sobre a primeira-ministra britânica, mas numa conferência de imprensa conjunta o Presidente diz que espera poder firmar um acordo forte com o Reino Unido após o Brexit.
A+ / A-

O Presidente americano Donald Trump elogiou esta sexta-feira a primeira-ministra britânica Theresa May, depois de lhe terem sido atribuídos comentários muito críticos da mesma numa entrevista concedida ao jornal “The Sun”.

Segundo a edição de hoje do “The Sun”, Trump acusava May de ter falhado na negociação de um acordo para a saída do Reino Unido da União Europeia e terá sugerido que, a manter-se o rumo que a líder britânica estava a traçar, estaria em risco um acordo comercial com os EUA. Terá ainda elogiado Boris Johnson – que esta semana se demitiu de ministro dos Negócios Estrangeiros em conflito aberto com May, precismanete por causa do Brexit – dizendo que ele daria um excelente primeiro-ministro.

Mas numa conferência de imprensa conjunta com Theresa May esta sexta-feira, em Londres, o Presidente dos EUA criticou o “The Sun”, dizendo que a manchete e as alegações contidas no jornal são “fake news”.

“EU não critiquei a primeira-ministra, tenho muito respeito por ela”, disse Trump, quando questionado sobre a entrevista. “Infelizmente houve uma notícia que foi publicada e que, no geral estava bem, mas não incluiu o que eu disse sobre a primeira-ministra, e eu disse coisas ótimas”, disse Trump. "Chama-se a isso 'Fake News'".

O Presidente disse ainda que quando se encontrou com Theresa May esta sexta-feira de manhã pediu-lhe desculpa e disse que tinha sido mal representado na entrevista, ao que ela terá respondido, "não se preocupe, é só a imprensa".

Ainda sobre o Brexit, Trump disse que as decisões do Reino Unido cabem a Londres, e que os EUA apoiarão. “Quero agradecer à primeira-ministra May ter procurado alcançar um acordo comercial justo e recíproco com os Estados Unidos. Quando o processo do Brexit estiver concluído, e o Reino Unido estiver fora da União Europeia, não sei o que vão fazer, mas façam o que fizerem está tudo bem, é convosco”, afirmou.

“Façam o que fizerem, tudo bem por nós, mas certifiquem-se de que podemos continuar a ter comércio, é tudo o que interessa. Os Estados Unidos querem concluir um excelente acordo comercial com o Reino Unido. Esta é uma oportunidade incrível para os nossos dois países, e vamos aproveitá-la ao máximo”.

Injustiça na NATO e imigração

Na conferência de imprensa Donald Trump abordou ainda muitos outros assuntos. Elogiou a importância da NATO e das relações transatlânticas e agradeceu a Theresa May o seu apoio na questão do desarmamento da Coreia do Norte.

Especificamente sobre o facto de ter exigido que os países europeus paguem mais para a manutenção da NATO, disse que "a situação era injusta. Os EUA estavam a pagar até 90% dos custos da NATO e a NATO existe muito mais para a Europa do que para nós. Ajuda mais a Europa do que nos ajuda a nós. Mas dito isso, é um grande motor de unidade. Estão lá 29 países e existe muito amor naquela sala. Estamos a ajudar a Europa e ela está-nos a ajudar a nós, estamos todos juntos, estou bem com isso."

Trump foi ainda muito crítico em relação à imigração na Europa, dizendo que esta está a ser negativa para o continente.

"Está a mudar a cultura, está a ser uma coisa muito negativa para a Europa. Sei que não é politicamente correto dizê-lo, mas digo-o bem alto", referiu, acrescentando que os países europeus deviam "ter cuidado".

"Estão a mudar a cultura, estão a mudar a segurança - olhem para o que se tem passado em diferentes países que nunca tinham tido dificuldades. É uma situação muito triste, muito infeliz, mas não ahco que seja bom para a Europa e não acho que seja bom para o nosso país", referiu.

[Notícia atualizada às 15h10]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Antonio
    15 jul, 2018 Lisboa 19:26
    A noticia do jornal The Sun foi gravada e o que se ouve não resta duvidas relativamente ao que ele disse, arrasou por completo a Theresa May. Agora vem dizer o contrário. O Mr. T está completamente esclerosado e o mundo que o ature.........
  • Anónimo
    14 jul, 2018 18:28
    Diz o "fake president" que nem sequer foi o candidato mais votado.
  • fanã
    14 jul, 2018 aveiro 11:54
    No Important , it's a fake President !!!!!!