A+ / A-

BE rejeita aumentar despesas militares. "É comprar lixo"

13 jul, 2018 - 13:58

"Não é em defesa civil, não é para responder a necessidades do nosso país", sustentou, considerando que esse dinheiro "falta nas escolas" e podia "substituir material obsoleto nos hospitais".
A+ / A-

A coordenadora do BE insurgiu-se esta sexta-feira contra o anunciado aumento de despesas em equipamento militar, considerando que "é lixo" de que o país não precisa, e elencou medidas que quer ver no próximo Orçamento do Estado.

"Senhor primeiro-ministro, gastar em equipamento militar e armamento de que não precisamos é comprar lixo, mesmo que em parte seja 'made in' Portugal. Porque haveremos de comprar lixo e desperdiçar mais de mil milhões de euros a cada ano?", questionou Catarina Martins.

Intervindo no debate parlamentar sobre o Estado da Nação, a deputada do Bloco de Esquerda perguntou a António Costa por que "falta o investimento no território e no desenvolvimento do interior" ao mesmo tempo que "promete à NATO gastar mais de mil milhões de euros a cada ano em despesa militar".

"Não é em defesa civil, não é para responder a necessidades do nosso país", sustentou, considerando que esse dinheiro "falta nas escolas" e podia "substituir material obsoleto nos hospitais".

E, acusou: "Porque aceitamos as metas de Trump [Presidente norte-americano] enquanto mantemos a ciência e a cultura na penúria?".

Catarina Martins começou por afirmar que, ao fim de três anos, "não vai tudo bem" e apontou a "falta de investimento" como "o maior problema que o país enfrenta".

Quando "falta investimento" na saúde, na Educação e nos transportes, "são mesmo os professores o problema das contas públicas? Alguém acredita nisso?", questionou.

Assumindo que ao fim de três anos, o BE tem "orgulho" no que foi conseguido através da atual solução política, a coordenadora do BE disse que o partido continua disponível para prosseguir o acordo assinado com o Governo em 2015 e para negociar "um Orçamento que reforce o investimento na Saúde, nos Transportes, na Educação, Ciência e Cultura".

"Quem teve a responsabilidade de devolver a esperança tem também a responsabilidade de não vender ilusões e a responsabilidade de prosseguir este caminho em vez de reconduzir o país para a política do centrão", declarou.

Catarina Martins manifestou "toda a disponibilidade" para negociar e encontrar respostas de que o país precisa, "queira o Governo encontra-las com a esquerda".

O próximo Orçamento do Estado, o último da legislatura, deve "fazer justiça nas pensões antecipadas das longas carreiras e que baixe o preço da energia", disse.

O aumento do Salário Mínimo, a vinculação dos trabalhadores precários, a construção de respostas públicas para a habitação foram também prioridades identificadas pela deputada bloquista.

Insistindo na reestruturação da dívida, a deputada argumentou que "se a zona euro não acabar com a embrulhada da dívida, a dívida acabará com a embrulhada do Euro".

"É certo que Bloco e PS sempre tiveram perspetivas diferentes sobre esta matéria. Mas concordamos que o nosso endividamento resulta de deficiências e desequilíbrios estruturais na arquitetura da Zona Euro, agravados por um programa de ajustamento absolutamente desastroso, que deixou o país ainda pior", sustentou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Fonseca
    15 jul, 2018 Fonte 18:31
    Um grupo anárquico só pretende que no país reine a anarquia. Para quê gastar dinheiro em exército e polícias?? Num Estado governado pelo Berloque de Esquerda nem sequer existiria um código penal. Cada cidadão auto penitenciava-se de acordo com a sua consciência.
  • fanã
    14 jul, 2018 aveiro 10:16
    Em termos de prioridades , e fazer frente as carências na área Social, só posso apoiar esta critica do B.E !!!!!!