O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Padre Jardim Moreira

​“É preciso ter coragem para rever política que gera pobres”

13 jul, 2018 - 01:14

Presidente da Rede Europeia Anti-Pobreza considera que Portugal mantém dois milhões de pobres por falta de políticas de inclusão.
A+ / A-

Portugal mantém dois milhões de pobres por falta de políticas governamentais de inclusão, critica o presidente da Rede Europeia Anti-Pobreza, padre Jardim Moreira.

O número de pobres em Portugal mantém-se igual há quatro décadas. Em declarações à Renascença, o padre Jardim Moreira diz que há excesso de política assistencialista e defende que está na hora de atuar e mudar.

“As políticas não têm sido políticas inclusivas, têm sido mais assistencialistas, mais curativas, do que propriamente políticas que resolvam na raiz e na origem as causas que levam as pessoas a viver com falta de habitação, menos acesso à saúde, falta de cultura, tudo isso que leva à pobreza”, afirma o presidente da Rede Europeia Anti-Pobreza.

“Enquanto não se mudar a estrutura que gera esta forma de viver de uma parte significativa da população as coisas não são alteradas. É necessário ter a coragem de rever uma política que gera pobres”, sublinha o responsável.

Lembra o relatório da OCDE que indica que são necessárias cinco gerações para tirar uma pessoa da pobreza em Portugal, situação que considera vergonhosa.

O padre Jardim Moreira assinou, esta quinta-feira, um protocolo com a Câmara Municipal do Funchal, que concede à Rede Europeia Anti-Pobreza um apoio de 20 mil euros para criar um programa de formação e elaborar um diagnóstico da situação no município.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.