O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Macron desmente Trump. Não há acordo para investir acima de 2% do PIB na NATO

12 jul, 2018 - 16:16

Presidente francês nega que os aliados tenham alcançado um acordo nesse sentido na cimeira em Bruxelas.
A+ / A-

O Presidente francês, Emmanuel Macron, desmentiu esta quinta-feira que os Estados-membros da NATO se tenham comprometido a aumentar a despesa na Defesa comum acima dos 2% do PIB.

Essa informação tinha sido avançada pelo líder dos EUA, Donald Trump, esta manhã, no encerramento do encontro de dois dias em Bruxelas, tendo reclamado "vitória" na cimeira. A informação, contudo, foi desmentida publicamente por Macron.

"Há um comunicado que foi publicado ontem [quarta-feira] que é muito detalhado e que confirma o objetivo do [investir] 2% do PIB até 2024, é tudo o que há", referiu o Presidente francês citado pela Associated Press.

Confrontado com as contradições durante o encontro, o secretário-geral da NATO disse apenas aos jornalistas que os Estados-membros da Aliança Atlântica tomaram "muitas decisões" para "garantir que cumprimos os compromissos e que aumentamos os nossos orçamentos de defesa em milhares de milhões".

Forçado a prestar mais esclarecimentos sobre a alegação de Trump, Jens Stoltenberg disse que os países da NATO concordaram em "comprometer-se mais" com a defesa comum e acrescentou: "Com um novo sentido de urgência, todos os aliados concordaram em redobrar os seus esforços, vamos ter mais dinheiro, mais de 40 mil milhões de dólares".

Entre os chefes de Governo dos países da NATO que contrariaram as alegações de Trump conta-se o primeiro-ministro português.

Aos jornalistas, António Costa afastou, por agora, a possibilidade de duplicar o contributo português para o orçamento comum da NATO, um dia depois de se ter comprometido a alocar 1,66% do PIB português à aliança até 2024.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    12 jul, 2018 21:23
    Se querem brincar às guerras que vão para a Síria!