A+ / A-

​Santana Lopes anuncia que “relação com o PSD acabou”

27 jun, 2018 - 19:47

Em entrevista à revista "Visão", o antigo primeiro-ministro e líder social-democrata admite criar um novo movimento político.
A+ / A-

O antigo primeiro-ministro e líder do PSD Pedro Santana Lopes garante que a sua relação com o PSD chegou ao fim e admite criar um novo partido.

Em entrevista à revista “Visão”, que será publicada na quinta-feira, Santana Lopes coloca um ponto final num capítulo da sua vida, depois da derrota para Rui Rio nas eleições para liderança do partido.

“A minha intervenção política não se fará mais no PSD. Isso acabou. É uma relação que acabou. Deixámos de viver juntos”, declarou Santana Lopes.

O antigo primeiro-ministro e autarca de Lisboa sublinha que vai continuar a bater-se por Portugal e não exclui a hipótese de criar um partido ou ir a eleições.

“Não desisti nem desisto de lutar pelo meu país. Isso não desisto. Agora, tenho que ver qual é o melhor modo de eu contribuir para lutar pelo meu país. Com intervenção política no PSD, não, isso acabou, mas acabou mesmo”, afirma Santana Lopes.

O ex-provedor da Santa Casa estabelece uma comparação entre política e futebol, para dizer que a paixão por um partido pode morrer.

“Os partidos não são clubes de futebol. Do clube de futebol somos para sempre, a não ser que acabe. Um partido político não, é um instrumento de organização e expressão da vontade popular.”

Santana recupera uma frase proferida por si num jantar, em 31 de junho de 1990, para defender que “o PP começa a estar cansado de aturar o PSD”.

“As pessoas têm que compreender que, havendo esta relação, que este estado de espirito várias vezes me tivesse assaltado, várias vezes eu estivesse pensado: se calhar é melhor fazer uma organização partidária em que eu possa mais à vontade ter a intervenção política que acho que devo ter”, atira Santana Lopes em entrevista à “Visão”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    27 jun, 2018 22:23
    Faça boa viagem.