O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Mundial 2018

Queiroz acusa FIFA e árbitros de favorecerem Espanha. "O campo está inclinado"

21 jun, 2018 - 15:28

O selecionador do Irão salienta o facto de os espanhóis terem jogado com árbitros que percebiam a língua e acusa a FIFA de aumentar a clivagem entre as melhores equipas e as restantes.
A+ / A-

Carlos Queiroz queixou-se, esta quinta-feira, de favorecimento da FIFA e dos árbitros a Espanha e às restantes seleções europeias, no Mundial.

"Infelizmente, a nossa preparação não foi especial. Quando se quer resultados especiais, tem de se ter uma preparação especial. A preparação é a chave do sucesso. Quem está por trás disto sabe o que está a fazer: pôr os melhores cada vez melhores e os que querem ser melhores ficam lá no seu cantinho sem possibilidade de crescer", criticou selecionador do Irão, em declarações aos jornalistas.

À margem do treino da seleção do Irão, Queiroz salientou que, na derrota, por 1-0, com Espanha, "o resultado normal seria o empate". E insinuou um favorecimento da FIFA aos espanhóis: "Sempre que a Espanha joga os árbitros são sul-americanos. Nós acabámos com 14 faltas contra 14. Nós com dois amarelos e eles sem nenhum. Nem um para a pisadela do Diego Costa ao nosso guarda-redes. Às vezes o campo está inclinado".

Queiroz afirmou que "alguns não queriam" que o Irão fosse ao Mundial. "Merecemos estar aqui, ganhámos esse direito. Quando chegámos aqui, ninguém dava nada por nós. Ninguém nos dava o direito de sonhar. Tivemos de lutar e trabalhar muito para manter a convicção de que sonhar vale a pena. Não esperamos facilidades de ninguém", frisou.

Irão e Portugal defrontam-se na segunda-feira, às 19h00, em Saransk. Relato na Renascença e acompanhamento, ao minuto, em rr.sapo.pt.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.