O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Trump acusado de financiar campanha com dinheiro da caridade

14 jun, 2018 - 16:32

​Procuradoria-geral de Nova Iorque abre processo judicial contra a Fundação Trump.
A+ / A-

A procuradora-geral de Nova Iorque, Barbara Underwood, anunciou uma ação judicial contra Donald Trump e três dos seus filhos por atividades ilegais da fundação de caridade com o nome do Presidente norte-americano.

De acordo com o Ministério Público, a Fundação Trump foi utilizada como uma espécie de mealheiro para os seus negócios, despesas legais e campanha eleitoral de 2016.

A procuradora Barbara Underwood pede a dissolução da fundação e a devolução de 2,8 milhões de dólares, cerca de 2,3 milhões de euros.

A investigação, iniciada em 2016, alega que a organização de beneficência angariou verbas para, ilegalmente, financiar a campanha presidencial de Trump.

O caso teve início numa notícia do jornal “Washington Post”. O procurador da altura, Eric Schneiderman, ordenou que a fundação cessasse as ações de recolha de fundos no estado de Nova Iorque.

Donald Trump já reagiu à notícia através da rede social Twitter. E não poupou nas críticas ao Ministério Público de Nova Iorque.

“Os desprezíveis democratas de Nova Iorque, e o caído em desgraça (e fugido da cidade) A.G. Eric Schneiderman, estão a fazer tudo o que podem para me processarem”, declarou o Presidente norte-americano.

Trump defende-se e argumenta que a fundação angariou 18,8 milhões de dólares e doou mais dinheiro: 19,2 milhões de dólares.

A Fundação Trump divulgou um comunicado em que critica o processo judicial de que é alvo, considerado que “é a política no seu pior”.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.