A+ / A-
Sporting

Salema Garção teme pela sustentabilidade da SAD. "Cenário é desastroso"

12 jun, 2018 - 18:15

A Bola Branca, antigo dirigente dos leões deixa apelo aos jogadores para que não rescindam os respetivos contratos. "Estão a prejudicar o Sporting", acusa.
A+ / A-

O Sporting tem a sua situação financeira em risco e enfrenta um cenário desastroso.

A consideração, deveras pessimista, é tecida, a Bola Branca, por Miguel Salema Garção, antigo dirigente dos leões ligado à conquista de dois campeonatos, três Taças de Portugal e quatro Supertaças, entre 1999 e 2002.

"Neste momento, o cenário é desastroso", começa por disparar.

"O momento é preocupante, a sustentabilidade da sociedade desportiva pode estar em causa, os ‘stakeholders’ do Sporting, nomeadamente colaboradores, fornecedores, ‘sponsors’, organismos nacionais e internacionais do futebol e todos os outros estão, seguramente, preocupados com aquilo que se passa no Sporting", prossegue.

Salema Garção quebra o silêncio, renovando o apelo (quase) geral: os atuais dirigentes têm de sair. Só depois o ex-"team manager" pode ajudar.

"Estarei sempre disponível, enquanto sportinguista, para ajudar o clube, independentemente da situação que for. Mas nesta fase, aquilo que espero é que os órgãos sociais do Sporting tenham a hombridade de apresentarem a sua demissão para se abrir um processo eleitoral e garantir o futuro e presente", adianta.

Varandas e Dionísio "prematuros" e o apelo aos jogadores

Frederico Varandas e Dionísio Castro já disseram “sim” a uma candidatura mas tê-lo-ão feito de forma prematura, considera Salema Garção.

"Frederico Varandas é um enorme sportinguista e com um percurso profissional no desporto conhecido do público e dos sportinguistas, em particular. E o Dionísio, um grande atleta que vestiu a camisola do Sporting. Mas considero muito prematuro estar a falar de candidatos a candidatos. O importante neste momento é a capacidade dos sportinguistas em se unirem, abandonarem alguns estigmas, algumas falsas conotações, evitem a classificação de pessoas como ‘sportingados’ ou sportinguistas de primeira, ou de segunda. Não podemos continuar com divisionismos, ou com amarguras do passado", analisa.

Por fim, Miguel Salema Garção apela aos jogadores para não rescindirem.

"Peço que não tomem essa posição. Estão a prejudicar o Sporting e, nesse caso, a sociedade desportiva do futebol. O Sporting tem uma empresa cotada em bolsa, tem acionistas e, portanto, necessita de garantir os seus ativos, necessita de garantir a sustentabilidade, presente e futura, da sociedade. Mas, fundamentalmente, é importante garantir um plantel que posa competir na próxima temporada, com capacidade de lutar para vencer as competições onde está inserido", conclui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.