A+ / A-

Madrid quer acolher até 100 migrantes do "Aquarius"

12 jun, 2018 - 10:00

Governo de Itália recusou autorizar o navio humanitário a desembarcar num porto italiano mais de 600 migrantes resgatados do mar em várias operações.
A+ / A-

A presidente da Câmara de Madrid revelou que a capital espanhola pode acolher 20 famílias, até um máximo de 100 pessoas, que se encontram a bordo do navio "Aquarius".

Manuela Carmena pediu ao chefe do Governo de Espanha, Pedro Sánchez, que sejam acolhidas na capital 100 pessoas que estão a bordo do navio.

A autarca disse numa mensagem na rede social Twitter que “com a ajuda de todos a situação pode ser resolvida em breve”.

A vice-presidente do Governo, Carmen Calvo, pediu ao presidente da Federação Espanhola de Municípios e Províncias (FEMP), Abel Caballero, que coordene as ofertas que estão a chegar aos municípios para hospedar os 629 migrantes do “Aquarius”.

A Câmara de Madrid está a aguardar que o Governo central aceite a oferta, segundo fontes municipais.

A Espanha ofereceu-se, na segunda-feira, para acolher os migrantes, para “evitar uma tragédia humanitária”, e as autoridades estimam que o navio demore quatro dias a fazer o percurso que o separa de Valência.

O Governo de Itália recusou no domingo autorizar o “Aquarius” a desembarcar num porto italiano migrantes resgatados do mar em várias operações durante sábado.

Por ordem das autoridades italianas, o navio mantém-se em alto mar, a 35 milhas de Itália e a 27 milhas de Malta, segundo a organização não-governamental SOS Mediterranée.

Itália defendeu que deve ser Malta a acolher os migrantes, entre os quais há 123 menores, mas Malta sustentou que a responsabilidade é de Itália porque as operações de salvamento dos migrantes ocorreram numa zona marítima coordenada por Roma.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    14 jun, 2018 16:31
    Os italianos têm que perceber que têm um problema grave quando é o Estado Espanhol, um estado com presos e exilados políticos, a ter que lhes ensinar como tratar refugiados.