A+ / A-

GNR levantou dois mil autos por falta de limpeza e queimadas ilegais

08 jun, 2018 - 18:59

Ministro da Administração Interna afirma que houve milhares de ações de sensibilização levadas a cabo pelos militares da GNR chegaram a cerca de 150 mil pessoas.
A+ / A-

A GNR levantou até ao momento cerca de dois mil autos por falta de limpeza de matas ou pela realização de queimadas ilegais, disse esta sexta-feira o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita.

"O que deve ser exaltado é a mudança de paradigma ocorrida este ano, como resposta aos acontecimentos dramáticos corridos em 2017. E nunca se limpou tanta floresta como este ano. E nunca nesta matéria houve uma dimensão de prioridade nacional que permitiu que ao longo destes meses fossem feitas coisas concretas em matéria de limpeza de florestas", disse o governante.

O ministro adiantou que houve milhares de ações de sensibilização levadas a cabo pelos militares da GNR chegaram a cerca de 150 mil pessoas.

"O que queremos é proteger os portugueses. As coimas não salvam vidas", rematou Eduardo Cabrita durante a inauguração das obras de requalificação do quartel da GNR de Freixo de Espada à Cinta, no distrito da Bragança.

A GNR de Freixo de Espada à Cinta está agora instalada num edifício que em tempos aquartelou o contingente local da extinta Guarda-fiscal e que após uma intervenção que rondou os 350 mil euros criou melhores condições de operacionalidade aos 23 militares que ali prestam serviço.

A presidente da câmara de Freixo de Espada à Cinta, Maria do Céu Quintas, disse que o projeto já tinha alguns anos, contudo foi necessário arranjar financiamento para as obras de requalificação do imóvel.

A autarca aproveitou a presença do ministro da Administração Interna e de elementos afetos ao comando nacional do GNR para pedir mais militares para o seu concelho

"Acho que precisávamos de mais alguns militares para chegarmos aos 30 elementos", disse a autarca transmontana.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.