A+ / A-

Chile. Papa admite sentir vergonha por não ter reagido a tempo às denúncias de abusos

31 mai, 2018 - 20:56

Francisco escreve carta ao povo chileno.
A+ / A-

O Papa enviou uma carta ao povo do Chile sobre o escândalo de pedofilia que abalou a imagem da Igreja Católica no país. Francisco admite sentir “vergonha” por não ter reagido às denúncias a tempo.

“Como Igreja, não podíamos continuar caminhando, ignorando a dor de nossos irmãos”, escreveu o Papa, acrescentando que o “conflito” precisa ser “resolvido” e transformado em “uma nova estrada”, escreveu.

Na missiva, o Sumo Pontífice acrescenta que, “como Igreja, não podíamos continuar a caminhar e a ignorar a dor de nossos irmãos”.

Francisco admite que um dos erros da Igreja no Chile foi “não saber escutar as vítimas”.

“Foram tiradas conclusões parciais, nas quais faltavam elementos cruciais para um discernimento saudável e claro. Com vergonha, devo dizer que não ouvimos e não reagimos a tempo”, acrescentou.

Já esta quinta-feira, a Santa Sé, em comunicado, tinha anunciado que o Papa decidiu promover uma nova investigação a estes casos de abusos sexuais na Igreja Católica do Chile.

Para amanhã, sexta-feira, está previsto um novo encontro entre Francisco e um grupo de vítimas.

No seguimento desta polémica todos os 34 bispos chilenos puseram os seus cargos à disposição depois de terem sido recebidos pelo Papa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Sasuke Costa
    31 mai, 2018 Porto 23:01
    Que cada um dos pecadores defina a sua pena, à luz do evangelho e a cumpra (já são grandinhos para não importunarem o Santo Padre com essas questões). Seriamos injustos si al lado de nuestro dolor y nuestra vergüenza por esas estructuras de abuso y encubrimiento que tanto se han perpetuado y tanto mal han hecho, no reconociéramos a muchos fieles laicos, consagrados, consagradas, sacerdotes, obispos que dan la vida por amor en las zonas más recónditas de la querida tierra chilena. Todos ellos son cristianos que saben llorar con lo demás, que buscan la justicia con hambre y sed, que miran y actúan con misericordia; cristianos que intentan cada día iluminar su vida a la luz del protocolo con el que seremos juzgados…