A+ / A-
Seleção Nacional

João Mário e os benefícios de ir à Rússia sem pressão de vencer

24 mai, 2018 - 17:02

O médio da seleção nacional acredita que Portugal tem uma palavra a dizer no Mundial 2018, mas rejeita favoritismo.
A+ / A-

João Mário, jogador da seleção nacional, acredita que o facto de disputar o Mundial sem o estatuto de favorito poderá ser benéfico para Portugal, relativamente a outras seleções com maior responsabilidade.

"Não temos a pressão de vencer. Há seleções que sim, que à partida são mais favoritas que nós. Vamos jogar com isso. Queremos fazer boa figura e, na nossa cabeça, isso é o mais importante", frisou o médio do West Ham, emprestado pelo Inter de Milão, em entrevista ao site da FPF.

Relativamente a equipas como o Brasil, Espanha, França e Alemanha, "seleções muito fortes que já venceram" o Mundial, Portugal surge num plano de favoritismo claramente inferior. Ainda assim, João Mário promete "disputar o troféu até ao final": "Sabemos o valor que temos, sabemos as dificuldades que vamos encontrar, sabemos que a expetativa em torno da nossa seleção é alta. Favoritos não, candidatos sim".

Portugal "é uma seleção jovem", com rotinas e amizades cimentadas e com um selecionador, Fernando Santos, cujo discurso "vencedor e de conquista" transmite confiança inabalável no grupo. Foi essa a chave do Euro e João Mário espera que "também possa ser a chave do Mundial".

Para sonhar com o título de campeão mundial, não obstante, Portugal terá de ultrapassar Espanha, Marrocos e Irão, adversários do grupo B: "Acredito que esta fase de grupos seja ainda mais complicada que aquela encontrámos no Europeu. O Mundial é outro tipo de competição, com outras seleções. O nosso grupo é muito forte e teremos de estar na nossa melhor forma para conseguirmos ultrapassar a fase de grupos".

O Mundial arranca a 14 de junho, na Rússia. Portugal estreia-se no dia seguinte, frente à Espanha, em Sochi. O objetivo é estar, a 15 de julho,

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.