A+ / A-
"Controlos apertados" na Saúde

SNS pode deixar de ser sustentável a curto prazo

23 mai, 2018 - 14:52

O aviso vem da Comissão Europeia, que nas suas recomendações económicas a Portugal diz que o crescimento da dívida do Estado não deverá exceder os 0,7% em 2018.
A+ / A-

O Serviço Nacional de Saúde (SNS) poderá deixar de ser sustentável no curto prazo. O aviso foi feito esta quarta-feira pela Comissão Europeia no quadro das suas recomendações económicas a cada um dos Estados-membros da União Europeia.

Bruxelas diz que os pagamentos em atraso no SNS continuam demasiado elevados, o que revela insuficiências no planeamento orçamental. Em conferência de imprensa, o comissário europeu dos Assuntos Económicos defendeu um corte estrutural de 0,6% no défice e apontou um dos caminhos: controlos mais apertados na despesa com a saúde.

"Portugal deve manter de forma consolidada a redução do défice e da dívida, recomendamos que o país garanta que o crescimento da dívida do Estado não exceda os 0,7% em 2018, o que corresponde a um ajustamento estrutural de 0,6% do PIB. Isso pode ser conseguido através de um reforço do controlo da despesa assegurando gastos mais eficazes e uma orçamentação adequada, em particular no sistema de saúde", referiu Pierre Moscovici em Bruxelas.

Na mesma conferência, o responsável europeu pelos Assuntos Económicos reafirmou que Portugal já não apresenta desequilíbrios excessivos, mas recomendou a aplicação de reformas para garantir a sustentabilidade das contas.

À mesma hora, no Parlamento português, o ministro das Finanças contrariou as críticas que sugerem um quadro de desinvestimento na área da saúde.

"O Serviço Nacional de Saúde cresceu, entre 2015 e 2018, em 4.000 enfermeiros e 3.600 médicos. Entre abril de 2015 e abril de 2018, o SNS passou a ter mais 8.100 profissionais. Imagine o que era o SNS em abril de 2015 com menos 8100 profissionais. O que é que a senhora deputada vinha dizer a esta comissão, se pertencia a essa comissão nessa altura?"

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    24 mai, 2018 14:47
    António, coveiros do SNS há em todos os partidos do centrão. E todos eles deviam ser julgados por traição à pátria.
  • Anónimo
    23 mai, 2018 17:14
    FALSO. O Serviço Nacional de Saúde é e sempre foi sustentável. Só não é sustentável para escumalha que não tem o menor respeito pela vida humana.
  • antonio
    23 mai, 2018 lisboa 17:04
    Temos de agradecer ao sr CENTENO o "COVEIRO DO SNS "