A+ / A-

Papa canoniza Paulo VI a 14 de outubro

19 mai, 2018 - 14:09

A 7 de março, Francisco aprovou um milagre atribuído à intercessão do Beato Paulo VI, abrindo assim caminho à sua canonização. D. Oscar Romero é canonizado no mesmo dia.
A+ / A-

O Papa Francisco vai canonizar os beatos Paulo VI e D. Oscar Romero a 14 de outubro, no Vaticano, anunciou este sábado a Santa Sé, após um consistório público (reunião de cardeais).

“Durante o Consistório, o Papa decretou que os Beatos vão ser inscritos no Livro dos Santos no domingo, 14 de outubro de 2018”, acrescenta o comunicado da Santa Sé, numa celebração que vai decorrer durante o Sínodo dedicado aos jovens, com a presença de bispos de todo o mundo.

A 7 de março, Francisco aprovou um milagre atribuído à intercessão do Beato Paulo VI (1897-1978), abrindo assim caminho à sua canonização.

Paulo VI, o pontífice que liderou a Igreja Católica entre 1963 e 1978, período em que encerrou o Concílio Vaticano II, foi beatificado pelo Papa Francisco a 19 de outubro de 2014.

O futuro santo foi o primeiro Papa a fazer viagens internacionais, entre as quais uma visita a Fátima, a 13 de maio de 1967.

Também no último dia 7 de março, Francisco autorizou a publicação do decreto que reconhece um milagre atribuído à intercessão de D. Óscar Romero, antigo arcebispo de El Salvador, onde foi morto a tiro em 1980, às mãos da junta militar que dominava o país.

A decisão abriu caminho à canonização do arcebispo, beatificado como “mártir” da fé católica a 23 de maio de 2015.

Os outros futuros santos são os padres Francesco Spinelli (1853-1913) e Vincenzo Romano (1751-1831); e as religiosas Maria Catarina Kasper (1820-1898) e Nazária Inácia de Santa Teresa de Jesus (1889-1943.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.