A+ / A-

Atirador faz pelo menos 10 mortos em liceu do Texas

18 mai, 2018 - 16:36

É o 22.º tiroteio a ter lugar em escolas dos Estados Unidos desde o início deste ano.
A+ / A-
"Isto é nojento!" Tiroteio faz vários mortos em escola do Texas e um pai irrita-se com apoiante de Trump
"Isto é nojento!" Tiroteio faz vários mortos em escola do Texas e um pai irrita-se com apoiante de Trump

Pelo menos dez pessoas, nove alunos e um professor, morreram e 10 ficaram feridas esta sexta-feira num tiroteio ocorrido num liceu em Santa Fé, no Texas, em mais um ataque armado a uma escola dos Estados Unidos da América.

O balanço atualizado foi feito pelo governador do Texas, Greg Abbott, em conferência de imprensa.

Dois suspeitos estão detidos, alegadamente alunos da mesma escola, localizada a cerca de 50 quilómetros da cidade de Houston.

O chefe distrital da polícia escolar de Santa Fé, Walter Braun, informou entretanto que foram detetados explosivos dentro e nas imediações do liceu. As autoridades estão "no processo de os desmantelar", avançou em comunicado, uma informação que foi confirmada no Twitter pelo departamento escolar de Santa Fé.

Ao "New York Times", Mark Henry, juiz do condado de Galveston, que abarca a cidade texana, tinha confirmado no rescaldo do tiroteio que havia pelo menos três mortos e um número indeterminado de feridos, entre eles um agente da polícia que estava no local à hora do incidente. A mesma fonte citada pela CNN informou entretanto que dois agentes ficaram feridos, não se conhecendo a gravidade dos seus ferimentos para já.

Assim que surgiram as primeiras notícias do ataque, o departamento policial do condado de Harris destacou vários agentes para a escola, pelo que disse ser um "incidente com múltiplas vítimas". No Twitter, o xerife Ed Gonzalez avançou então que dois suspeitos foram detidos. Ambos serão alunos do liceu de Santa Fé.

Também no Twitter, o Presidente norte-americano, Donald Trump, escreveu em reação ao tiroteio: "As primeiras notícias não são boas. Deus vos abençoe a todos!"

Pouco depois, nma conferência de imprensa na Casa Branca dedicada à reforma das prisões norte-americanas, o Presidente acrescentou: "A minha administração está determinada em fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para proteger os nossos alunos, garantir a segurança das nossas escolas e manter as armas fora das mãos daqueles que representam ameaças para eles próprios ou para outros."

Desde o início do ano já houve 22 tiroteios em escolas dos EUA, o que corresponde a uma média de mais de um tiroteio por semana, com três deles ocorridos nos últimos oito dias. Esse número sobe para 41 se se incluir na lista tiroteios em locais públicos e não apenas em escolas, já contando com o ataque desta sexta-feira.

Este é o pior tiroteio a ter lugar nos EUA desde 14 de fevereiro, quando um massacre no liceu Marjory Stoneman Douglas, em Parkland, na Florida, resultou em 17 mortos.

O ataque relançou o debate sobre o uso e comercialização de armas de fogo no país e, no seu rescaldo, Trump sugeriu que a solução passa por treinar e armar professores e auxiliares de educação. Em resposta, milhares de jovens de várias partes dos EUA mobilizaram-se em protestos, exigindo mais controlos estaduais e federais sobre a venda e posse de armas de fogo.

“Marcha pelas Nossas Vidas” ou como os alunos de Parkland querem mudar os EUA
“Marcha pelas Nossas Vidas” ou como os alunos de Parkland querem mudar os EUA
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • dario
    19 mai, 2018 porto 15:52
    Segundo noticias internacionais era um aluno brilhante,que foi sujeito a bulling virou á direita armou-se e respondeu ao acossamento a que foi sujeito.O bulling e praxes criam ressentimentos para toda a vida logo o problema não é das armas mas da permissão do bulling.Em portugal o bullnig e praxes obscenas são toleradas por negócio qualquer dia temos outros desastres com mortes como já aconteceu.A questão é ,és mal tratado ,escolas e gov não reagem matas.Os indivíduos sujeitos a bulling ou praxes quando adultos se puderem" atropelam" os ex colegas e podem não dar emprego,promoçoes etc.A praxe cria marca e não esquece.A vingança é uma questão de oportunidade.
  • jota
    19 mai, 2018 lisboa 14:41
    Se em Portugal acham que aos 16 anos os jovens poderiam mudar de sexo ,acho mais legitimo que o uso de armas de fogo fosse permitido a partir dos 8 anos na vez dos 18.Pessoalmente sou adepto do uso e direito de usar armas de fogo a partir 20 anos com informação simplista e o saber atirar ou em alternativa um policia em cada rua.As armas a permitir seriam a partir das AK6,etc o resto são brinquedos q para puoca coisa servem.