A+ / A-

Petróleo. Avanço do furo sem estudo põe em risco habitantes do Algarve

17 mai, 2018 - 20:20

Turismo do Algarve demonstra preocupação.
A+ / A-

A Região de Turismo do Algarve (RTA) repudiou a dispensa de estudo de impacto ambiental para o furo petrolífero em Aljezur, considerando que o mesmo "coloca em risco" a população do Algarve, podendo agravar o risco sísmico já existente na região.

Em comunicado, o presidente da RTA, Desidério Silva, classifica a decisão da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) como "desrespeitosa" e "vergonhosa" e considera uma "afronta" que o Governo compactue e negue "a existência de impactos negativos não só para o ambiente, mas também para os habitantes" do território algarvio.

"A operação, que tem início previsto para 15 de setembro, vai requerer a utilização de substâncias tóxicas e métodos que podem prejudicar gravemente a saúde humana e ambiental", aponta, acrescentando que a decisão em perfurar sem estudo prévio "é não só negativa para o turismo como pode fazer com que os riscos sísmicos se tornem "mais notórios".

Sublinham ainda que a decisão de "negligenciar os riscos e impactos negativos" foi tomada mesmo "depois de várias consultas públicas, nas quais mais de 42 mil pessoas e autarcas mostraram o seu profundo desagrado por este projeto", escolha que o Governo "não contrapõe".

O presidente da APA justificou a decisão, anunciada quarta-feira, no último dia do prazo previsto, referindo que "não foram identificados impactos negativos significativos" na realização do furo de prospeção petrolífera que deve avançar entre setembro e outubro, na área "offshore" denominada bacia do Alentejo, a 46 quilómetros de Aljezur.

"Rejeitar uma avaliação de potenciais riscos de perfuração é negar a importância que a população tem para um país", conclui a RTA, que teme que a excelência do Algarve enquanto destino turístico esteja a ser posta em causa.

O consórcio liderado pela petrolífera italiana ENI prevê iniciar a perfuração daquele que será o primeiro furo de pesquisa de hidrocarbonetos em Portugal entre setembro e outubro, após uma preparação com uma duração estimada de três meses.

A fase de preparação decorrerá numa base logística, em Sines, situada a aproximadamente 88 quilómetros do local da sondagem.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jorge
    18 mai, 2018 Seixal 16:53
    Esta gente deixa-se manipular com a maior das facilidades. O furo é a 46 Km de Aljezur, de que têm medo. Somos pequeninos em tudo, é no território na economia e na mentalidade.
  • Felix
    18 mai, 2018 S. Félix 13:02
    Sou absolutamente contra a exploração do petróleo. Vai provocar enormes impactos ambientais e não traz qualquer benefício aos portugueses. Os únicos que ganham são as grandes empresas estrangeiras.