A+ / A-
Andebol

Sporting reage a caso de suborno. “Mais uma campanha para denegrir a imagem do clube”

15 mai, 2018 - 14:17

O clube de Alvalade emitiu um comunicado, em que critica as revelações feitas pelo "Correio da Manhã", considerando que se trata de um capítulo para denegrir o Sporting, e fica disponível para colaborar com a justiça.
A+ / A-

O Sporting apelou esta terça-feira à celeridade das autoridades na averiguação à alegada corrupção no campeonato nacional de andebol de 2016/17, dizendo que as notícias dos alegados subornos provam que o clube é um “alvo a abater”.

Em comunicado, o Sporting diz repudiar as notícias que dão conta de um alegado esquema de subornos para favorecer a equipa de andebol durante a época passada e antecipa um efeito de contágio deste caso a todas as modalidades do clube.

Na mesma nota, o Sporting diz confiar na justiça e espera uma investigação célere por parte do MP.

“O Sporting confia na Justiça e no Estado de Direito e deseja que a alegada investigação anunciada pelo Ministério Público seja célere e que vá até às últimas consequências no apuramento da verdade”, lê-se no comunicado do Sporting.

O clube diz que este caso é o “primeiro capítulo de uma campanha, mais uma, que visa exclusivamente denegrir a imagem da instituição Sporting”.

“Não nos revemos em qualquer prática que desvirtue a verdade desportiva ou que sejam ética, moral e socialmente censuráveis”, prosseguem os ‘leões’, que dizem desconhecer agentes e empresários citados e admitem tomar medidas para “que sejam responsabilizados nas instâncias competentes”.

Assumindo-se “disponível para colaborar em todas as diligências”, o Sporting admite ser “um alvo a abater porque é o único clube que, genuinamente, continua a lutar e a querer transparência e verdade desportiva em Portugal”.

Federação denuncia ao Ministério Público

Na sequência da notícia do Correio da Manhã, a Federação de Andebol de Portugal (FAP) anunciou a denúncia deste caso ao Ministério Público (MP), que já tinha confirmado a existência de "um inquérito relacionado com a matéria" e dirigido pelo MP do Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) do Porto.

Segundo o jornal, o alegado esquema de corrupção no andebol envolvia "a compra de equipas de arbitragem, quer para os ‘leões’ ganharem, quer para o FC Porto, com o qual disputaram o campeonato até ao fim, perder" e abrangeu a época de 2016/17.

O CM cita conversas e trocas de mensagens de voz entre empresários, na aplicação da internet WhatsApp, e que segundo o jornal "mostram como André Geraldes, hoje diretor de futebol do Sporting, coordenava toda a batota".

O jornal publica ainda uma entrevista com o empresário Paulo Silva, alegadamente intermediário em todo o esquema, que fala em "fraude nas modalidades", confessa ter alinhado no esquema de corrupção "ao serviço do seu clube do coração [Sporting]" e diz que recebia 350 euros por cada árbitro de andebol que corrompia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.